Economia

De acordo com dados da FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations), o Brasil é hoje o 12º maior produtor de pescado do mundo e, segundo informações da Pesquisa da Pecuária Municipal, realizada pelo IBGE/SIDRA, produz o total de 476.522 toneladas de peixe, movimentando cerca de R$ 3 bilhões ao ano. As regiões Norte e Nordeste somam 44% desta produção, sendo que o mercado do Pirarucu tem um crescimento relevante desde que também passou a ser cultivado em cativeiro, aumentando em 11 vezes em comparação à produção de quatro anos atrás.

Diante desse cenário, empreender no segmento da piscicultura, tendo como cultivo o pirarucu, é um ótimo negócio. E para fomentar o segmento que cresce a cada dia, o Sebrae vem desenvolvendo, desde 2007, o Projeto Estruturante Pirarucu da Amazônia. Nos próximos dias 9 e 10, o Sebrae promove, em Brasília, o Seminário Nacional do Pirarucu da Amazônia que marcará o encerramento do projeto, com palestras, painéis, lançamento do livro de receitas, aula show de cortes especiais, rodada de negócios e a Mostra Gastronômica do Pirarucu.

No Tocantins, o Projeto atua em parceria com a Embrapa Pesca e Aquicultura, investindo em atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação para viabilizar soluções para o cultivo de Pirarucu. Além do Tocantins, o projeto do Sebrae acontece também nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima. A ideia foi atender a necessidade de estruturar e consolidar a cadeia produtiva do pirarucu nesses estados. Pequenos produtores estão aprendendo as técnicas de reprodução, alimentação e manejo dessa espécie em cativeiro.

Entre as ações desenvolvidas por meio do projeto, estão palestras, cursos, workshop, mostra gastronômica e acompanhamento de unidades de engorda e reprodução. As ações do projeto vêm resultando na expansão, melhoramento, aumento da produção, reprodução e comercialização do pirarucu em cativeiro, por meio da aplicação de novas tecnologias, gestão empresarial e agregação de valor aos produtos dos piscicultores parceiros do Projeto Pirarucu da Amazônia.

Um dos produtores participantes do projeto no Tocantins é Ramon Alves da Silva. “Para mim foi de grande importância estar neste projeto. Hoje, depois do acompanhamento do Sebrae, tudo meu é planilhado, faço controle de estoque conversão alimentar e resultados. Os profissionais que me atenderam estão de parabéns, pessoas com um nível de conhecimento elevado sobre o pirarucu”, afirmou Silva.

Receita

O seminário apresentará a Mostra Gastronômica do Pirarucu. Representando, o Chef Expedito Melo (do Restaurante Quadra Contemporânea) apresentará o Gravlax de Pirarucu. 

Por: Redação

Tags: Ramon Alves da Silva, Sebrae