Polí­cia

Foto: Divulgação Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia onde Gayer não quer cumprir sua pena Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia onde Gayer não quer cumprir sua pena

O condenado por assassinato, Frederico Gayer Machado de Araújo, apresentou-se espontaneamente à Cadeia Pública de Bernardo Sayão/TO na última quinta-feira, 24, para cumprimento da sua pena, segundo a Secretaria Estadual da Cidadania e Justiça (Seciju). Gayer, que, segundo a assessoria da deputada Luana Ribeiro (PDT) está divorciado da parlamentar aproximadamente há 1 ano, estava com mandado de prisão em aberto desde o mês de maio e seu paradeiro era desconhecido. Ele foi condenado pelo 1º Tribunal do Juri de Goiás a 12 anos e 6 meses de reclusão em regime fechado, pelo assassinato de Hebert Resende, que deixou quatro filhos órfãos. 

Segundo o que ficou apurado no inquérito, na madrugada de 5 de abril de 1997, na porta da boate Draft, no Setor Oeste, em Goiânia/GO, há 19 anos, Frederico Gayer atirou na barriga da vítima por motivo fútil, após uma discussão por causa de uma troca de fichas de consumo dos dois, por engano, pelo responsável pelo caixa da boate. O crime ocorreu mesmo após o mal entendido ter sido resolvido pela boate. Gayer esperou, segundo consta nos autos do inquérito, Herbert Resende do lado de fora da boate e, após trocar algumas palavras com a vítima, o empurrou e lhe deu um tiro em seguida.

Frederico foi condenado para cumprir pena no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia/GO (antigo CEPAIGO), no entanto, de acordo com informações em documentos que o Conexão Tocantins teve acesso, seu advogado, Rogério Leal, requereu a 13ª Vara Criminal da Comarca de Goiânia, a transferência do condenado para a Comarca de Colinas do Tocantins, visando dar início ao cumprimento da pena. Dos fatos alegados, o advogado informa que a família de Frederico Gayer tem residência fixa na cidade de Colinas do Tocantins. "Onde é estabelecido, mora seus parentes, amigos, situação que inviabiliza o cumprimento da pena no sistema prisional da cidade de Aparecida de Goiânia/GO", afirma o advogado. Rogério Leal ainda alega que Frederico é "pessoa idônea, honesta, tendo bom relacionamento onde convive com sua família e parentes". 

O juiz da Vara Criminal de Colinas do Tocantins, Océlio Nobre da Silva, por sua vez, encaminhou ofício no dia 22 de novembro para a 1ª Vara de Execuções Penais em Goiânia/GO, informando a prisão de Gayer e ainda, que haveria vaga na Comarca de Colinas para que Frederico cumpra a pena. A 1ªVara de Execução Penal é que vai decidir se Gayer cumprirá pena em Colinas ou em Aparecida de Goiânia. 

Família

A família de Hebert Resende acredita que o pedido de Frederico Gayer para cumprir pena na Comarca de Colinas do Tocantins visa obter regalias da justiça. Entretanto, pesa a favor do condenado, o fato de o sistema prisional de Aparecida de Goiânia estar com superlotação. 

Demora na Prisão

A 13ª Vara Criminal da Comarca de Goiânia/GO, por meio do juiz de direito Eduardo Pio Mascarenhas da Silva, expediu Carta Precatória de Prisão para a 4ª Vara Criminal de Execuções Penais de Palmas/TO, solicitando o cumprimento de mandado de prisão definitiva contra Frederico Gayer Machado de Araujo no dia 10 de maio deste ano. O mandado de prisão é de número 160508-195. Na Carta Precatória, o juiz informava o endereço do acusado em Palmas.

Na capital Palmas, a Carta Precatória de Prisão foi recebida pelo juiz da 4ª Vara Criminal, Luiz Zilmar dos Santos Pires o qual deu despacho ao delegado da Polinter, Reginaldo de Menezes Brito que deveria cumprir o mandado de prisão. 

Ao Conexão Tocantins, a filha de Hebert Resende, Roberta Franco chegou a manifestar estranheza com a demora da prisão de Frederico Gayer. 

Versão da Viúva

A viúva de Hebert Resende, Adriane Gavião, que reside na Holanda, em entrevista ao Conexão Tocantins contou sua versão do crime. Confira tudo que já foi falado sobre o caso Frederico Gayer aqui. (Atualizada às 08h30 do dia 29/11/16)