Polí­tica

Foto: Esequias Araujo

Durante sessão ordinária dessa terça-feira,7, o vereador professor Junior Geo (PROS) pontuou diversos assuntos, entre eles, citou o crédito de 60 milhões de dólares do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), o pagamento da data-base dos servidores municipais, os reajustes do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e sobre o contrato de fotos áreas de Palmas para auxiliar a execução da planta de valores. 

Junior Geo questionou o valor do contrato de aerolevantamento da Capital. De acordo com o vereador, a expansão diária do município faz com o levantamento fotográfico não seja tão efetivo em relação ao alto custo do serviço. “Esse levantamento é de extrema importância, porém, o crescimento da urbanização da capital requer um serviço que precisará ser refeito em pouco tempo. Por isso, questiono a verba de 13 milhões reais desse contrato, justamente porque existem outras formas mais baratas de para o serviço de fotos aéreas da capital", afirmou. 

Para embasar ainda mais sua justificativa, o vereador citou o exemplo da cidade de Marabá, no Estado do Pará. “Conversei com o secretário do município de Marabá, que tem sua extensão maior que a da nossa capital. Esse mesmo serviço foi feito lá e não chegou a custar cinco milhões de reais”, explicou. 

A Prefeitura de Palmas fechou um contrato com uma empresa de aerolevantamento por mais de R$ 13 milhões. A Engefoto Engenharia e Aerolevantamento S. A vai tirar fotos aéreas da capital que vão servir, entre outras coisas, para auxiliar na elaboração da nova planta de valores de Palmas. O documento determina o custo do Imposto Territorial Predial Urbano (IPTU) para o morador.