Educação

Foto: Márcio Vieira

A equipe do Balé Popular do Tocantins realizará nessa terça-feira, 4, durante todo o dia, uma seleção para a inserção de novos alunos no grupo de dança de balé, jazz e dança contemporânea. Os alunos interessados devem fazer suas inscrições na sala de dança da unidade escolar.

A professora Júlia Ludk explicou que o trabalho com dança será realizado com duas turmas, infantojuvenil (de 11 a 14 anos) e juvenil (idade acima de 15 anos). “As nossas aulas são destinadas aos estudantes que tenham vontade de aprender a técnica e a arte da dança”, explicou.

Na Escola Raquel de Queiroz, além da professora Júlia, também trabalha com a dança a professora Valdenice de Souza da Silva, ex-aluna do Colégio da Polícia Militar de Palmas, que entrou no Balé Popular do Tocantins como aprendiz e hoje atua como professora.

Divulgação

Para divulgar as vagas para as aulas de dança, a escola convidou os bailarinos Vanessa Costa Sousa, que atua como professora de dança na Escola Estadual Vila União, e Maicon Cardoso, que leciona dança em escola municipal e privada. Os dois foram alunos do Balé Popular do Tocantins. “Estamos aqui para divulgar o projeto e despertar o interesse dos alunos”, contou Vanessa.

Eles apresentaram na Escola Raquel de Queiroz um duo, denominado enlace, com a finalidade de mostrar que foram alunos e hoje vivem da dança.

Encontro com o balé

Para as estudantes Gleiciane Carvalho Lopes, 16 anos, e Gabriele de Lima Barbosa, 17 anos, da 3ª série do ensino médio, que já tinham estudado quatro anos de balé na Escola Municipal Eurídice Ferreira de Melo, em Palmas, a divulgação das aulas veio como uma oportunidade para as duas alunas retomarem o que gostam de fazer.

“A dança ajuda a relaxar a musculatura, nos deixa mais calmas, mais inspiradas e aprendemos a ter mais disciplina”, frisou Gleiciane.

A estudante Michaelly Sousa, 15 anos, disse que gostou da apresentação do balé porque é uma forma de divulgação das ações realizadas na escola. A jovem Brenda Kelly Silva de Oliveira, 15 anos, lembrou que os meninos ainda têm muito preconceito com relação ao balé. “Por isso é tão importante essa apresentação”, disse.

Geovana Barbosa da Silva, 14 anos, ressaltou que o balé proporciona inspiração para quem já tem afinidade. “Assistindo à apresentação percebemos que também somos capazes de aprender, se eles podem, nós também podemos”, afirmou.