Cultura

Foto: Aline Batista A poesia musicada de Dorivã é apresentada no show em 15 canções entre músicas consagradas e novo repertório A poesia musicada de Dorivã é apresentada no show em 15 canções entre músicas consagradas e novo repertório

“Uma obra poético-musical valiosa que representa o Tocantins de maneira única”, assim o cantor e compositor Dorivã Borges define o show do “Passarim do Jalapão”, que acontece nesta sexta-feira, 19, às 20h30, no Teatro Fernanda Montenegro, no Espaço Cultural José Gomes Sobrinho. O evento dá sequência às apresentações musicais do Festival “Palmas para o Mundo”, uma realização da Fundação Cultural de Palmas (FCP), que visa fortalecer e difundir a riqueza cultural tocantinense por meio da música.

O show contará com a gravação ao vivo de DVD que integra a próxima etapa do projeto com a promoção, divulgação e intercâmbio, por meio da FCP, das apresentações do festival em países latino-americanos e em outros estados do País.

“Visamos fortalecer o trabalho dos nossos artistas, ao oportunizar os meios deles projetarem sua arte difundindo nossa riqueza cultural por meio da música, tanto para a nossa sociedade, quanto para o mundo”, ressaltou o presidente da FCP, Hector Franco.

O Festival “Palmas para o Mundo” conta ainda com a parceria da Organização Jaime Câmara, Agência Public, Teatro Contágius e Cia de Dança.

Show

A poesia musicada de Dorivã é apresentada no show em 15 canções entre músicas consagradas e novo repertório, uma obra poético-musical valiosa que representa o Tocantins de maneira única, revisita e divulga de forma envolvente, suas raízes culturais bem exemplificadas na canção ‘Passarim do Jalapão’.

O músico

O “Passarim do Jalapão”, carinhosamente apelidado assim pelos tocantinenses, é o cantor e compositor Dorivã Borges, natural de Cristalândia, no estado do Tocantins. Dorivã circula com o Show ‘Passarim do Jalapão’ desde 2015, participou do projeto SESC Amazônia das Artes na turnê pelos estados amazônicos Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, além do Piauí, estado convidado em virtude de sua proximidade geográfica e identificação com o cenário sociocultural da região.

Comemora 30 anos de carreira com uma obra com composições que poderiam ser consideradas tão somente regionais, não fosse a linguagem melodiosa de seus ritmos de influência da cultura negra e indígena, como a sússia, catira, jiquitaia, foliado, que são apresentados de uma forma contemporânea e inusitada, ao mesmo tempo simples e de uma poesia profunda e envolvente.

Roda de conversa

Antes do show, às 19 horas, em parceria com a UFT/PROEX, acontece na Sala Sinhozinho – Cine Cultura, evento paralelo voltado para estudantes e professores, uma roda de conversa com o tema: “Economia Criativa da Música e Desenvolvimento Regional Sustentável”, com a participação do professor Waldecy Rodrigues (UFT), da professora de dança Meire Maria Monteiro e do músico Diego Brito, mestre em música pela UFG, que objetiva aproximar a música do Tocantins com o meio acadêmico.