Meio Ambiente

Foto: Divulgação

O Instituto Natureza do Tocantins – Naturatins e o Instituto Araguaia acompanharam a programação do 1º Fórum Nacional das Reserva Particular de Patrimônio Natural – RPPNs organizado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio, em Brasília. Na última quinta-feira, 29, o evento reuniu representantes e proprietários de RPPNs de todo o País e na ocasião foram discutidas iniciativas desenvolvidas em âmbito nacional  e por diferentes unidades federais.

De acordo com a Confederação Nacional das RPPNs, em todo o País são mais de 700 hectares de reservas instituídas, distribuídas em mais de mil unidades de reservas naturais municipais, estaduais e federais.

O superintendente de Gestão Ambiental do Naturatins, Natal Cesar Castro, destacou a vantagem das RPPNs para os municípios do Estado. “Nós já possuímos algumas RPPNs no Tocantins, porém essa é uma modalidade de unidade de conservação em que não é necessária a desapropriação e consequente indenização do proprietário. A área é mantida pelo dono da propriedade e assim, ganha o meio ambiente, ganha o Estado e o município onde está localizada a reserva, uma vez que colabora com a pontuação do ICMS Ecológico”, esclareceu e ainda adiantou.

“Queremos incentivar novas adesões e em breve estaremos reunindo proprietários de RPPNs em territórios tocantinense e aqueles que ainda não são para realizarmos um Seminário no Tocantins, sobre essa temática e compartilharmos toda experiência, aqui adquirida”, finalizou Natal César.

O Vice-presidente da Confederação Nacional de RPPN, Lúcio Flávio, reiterou a intenção de realizar um grande encontro no Tocantins. “Estamos programando novas ações para o próximo semestre, inclusive com o Tocantins estamos articulando a realização de um seminário. Isso tem reforçado a importância da biodiversidade que o país possui e sua vocação para um desenvolvimento limpo. E o Tocantins tem com suas 10 RPPNs a perspectiva de alcançar as diretrizes de áreas protegidas do Brasil diante da convenção de biodiversidade mundial”.   

A presidente do Instituto Araguaia, Silvana Campelo, falou do objetivo da participação. “Estamos aqui acompanhando o Naturatins, com o objetivo de entender como funcionam as RPPNs; quais são os prós e os contras; o que é preciso fazer; o que é necessário, em termos de repasses de verbas aos proprietários e demais vantagens, para que a gente possa organizar as unidades do Tocantins”.