Meio Ambiente

Foto: Frederick Borges

De acordo com dados desta segunda-feira, 28, divulgados pelo Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Tocantins é o quarto estado brasileiro em registro de focos de queimadas. Neste ano, já foram 7.455 focos no Estado, perdendo apenas para os estados do Pará (15.921 mil focos), Mato Grosso (12.782 mil focos) e Amazonas (7.706 mil focos). Pará e Mato Grosso, fazem parte do arco norte de desmatamento para ocupação da agropecuária. 

Até 25 de julho, o Tocantins era o segundo no ranking, pois havia registrado 4.070 mil focos, perdendo para o Mato Grosso, que contava com 7.312 mil focos de fogo e o Estado do Pará vinha em terceiro, contando com 3.688 mil. Entretanto, com entrada do mês de agosto, o aumento de focos de queimadas no Pará foi além do normal, sendo 9.728 mil focos registrados no Estado apenas neste mês. Só no último domingo, 27, o Pará registrou 1.193 focos. No mesmo dia, o Mato Grosso contou com 390 e o Tocantins com 266 focos de queimadas. 

São Félix do Xingu, no Pará, lidera os 10 municípios brasileiros com mais focos acumulados neste ano - 3.165 mil. Altamira, no mesmo estado, ocupa o segundo lugar, com 2.695 focos. Quatro municípios do Pará ocupam lugar entre os 10 municípios do País com mais focos de calor acumulados neste mês de agosto - (São Félix do Xingu (2.216); Altamira (1.805); Novo Progresso (1.217) e Itaituba (784). As quatro cidades também lideram o ranking de focos de queimadas ontem, 27 de agosto. 

Neste mês de agosto, o Tocantins já registrou 2.747 focos. Em julho, até o dia 25, foram 1.759 registros.

Lagoa, Formoso e Mateiros do TO

Em 2016, até o mês de julho, foram somados 1.083 focos apenas nas cidades de Lagoa da Confusão, Formoso do Araguaia e Mateiros do Tocantins. A maior parte dos focos de incêndio são registrados em terras indígenas, unidades de conservação e matas pelas rodovias. 

Crime 

De acordo a Lei 9.605/98, que trata dos Crimes Ambientais atear é fogo em áreas urbanas e de proteção ambiental é crime e pode gerar multas e penas restritivas de liberdade. As denuncias podem ser feitas por meio dos telefones 193, do Corpo de Bombeiros Militar e 199, da Defesa Civil Estadual.

Confira aqui todos os dados divulgados pelo Inpe.