Cultura

Foto: Forest Comunicação Jorge (Sandro Lucose) e Edmilson (Romeu Benedicto) são trabalhadores aliciados para a escravidão moderna na Amazônia brasileira Jorge (Sandro Lucose) e Edmilson (Romeu Benedicto) são trabalhadores aliciados para a escravidão moderna na Amazônia brasileira

A cidade fictícia de Nova Esperança no Pará é um cenário paradisíaco para a trajetória dramática de quatro vítimas da escravidão contemporânea. A "Cidade Invisível", que conta com a participação especial de André De Biase e Patricya Travassos, é uma produção da Forest Comunicação com roteiro de Thiago Foresti e produção da cuiabana Amanda Fernandes. Selecionada para exibição no Rio Web Fest (16 a 19 de novembro), a obra retrata, em cinco episódios, a violação de direitos nas histórias de Edmilson (Romeu Benedicto), Rubens (Claudio Pimentel), Ivonete (Yanny Rodrigues) e Alex (Enzo Gabriel Aguiar) e Moacir (Tulio Starling). 

A série expõe o trabalho infantil, a prostituição e a exploração trabalhista na Amazônia. Aliando o entretenimento ao debate público sobre a escravidão contemporânea, a "Cidade Invisível" já foi exibida na TV Cultura, na TV Brasil e em canais comunitários. Em novembro, segue para o Rio Web Fest e concorre aos prêmios de melhor série brasileira, roteiro de drama, direção de drama, produção, direção de arte, atuação para Sandro Lucose e para Claudio Pimentel. A obra também aspira à premiação do júri popular. O público tem até 16 de novembro para votar na série por meio do link: https://fans.vote/v/ACq-CwKzoUs.

Edmilson e seu primo Jorge, personagem interpretado por Sandro Lucose no primeiro episódio, são aliciados para o desmatamento da Amazônia. Explorados e encurralados no coração da floresta, os trabalhadores precisam lutar para sobreviver e voltar para casa. Esse é o desejo compartilhado pelo Rubens, personagem do Claudio Pimentel no segundo episódio. Ele deixa a família em outra cidade na esperança de encontrar melhores condições de vida. Sob a falsa segurança da carteira assinada, ele enfrenta o descaso e abusos como funcionário do frigorífico do homem mais rico de Nova Esperança.

A participação da “Cidade Invisível” no Rio Web Fest amplia o alcance da série para novos públicos. Segundo a produtora executiva, Amanda Fernandes, os festivais para programas de televisão ainda são poucos e recentes. Os mais renomados premiam obras estrangeiras com altos orçamentos. “O Rio Web Fest é um desses poucos festivais que prestigiam e garantem visibilidade para produções brasileiras pequenas. A participação da ‘Cidade Invisível’ em sete categorias valoriza a diversidade regional da produção, em especial do elenco de Mato Grosso e do Pará. Apostamos na preparação de elenco e na contratação de atores, inclusive da tradição do teatro, e não atores. Assim, podemos de fato representar o Brasil”.

Assista ao trailer e acompanhe a página no Facebook para mais atualizações sobre a minissérie.