Polí­tica

Foto: Divulgação

O Tocantins pode passar a exportar carne bovina para a China - segundo maior importador mundial. Essa é a expectativa do senador Ataídes Oliveira (PSDB/TO), que negociou com o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, a inclusão de plantas frigoríficas do Estado no roteiro de visitas que serão feitas por uma missão de técnicos do país asiático neste mês de novembro.

“Nossa carne é de excelente qualidade, temos tudo para entrar na China, que é o mercado que mais cresce no mundo. Será um passo importantíssimo para alavancar ainda mais nossas plantas frigoríficas, gerando mais empregos e renda para os tocantinenses”, ponderou Ataídes.

O senador fez questão de lembrar que, neste ano de 2017, oTocantins completou duas décadas sem qualquer registro de foco de doença aftosa e que a carne tocantinense é amplamente aceita no mercado nacional e internacional. Entre os principais destinos de exportação da carne bovina do Tocantins estão a Rússia, o Egito, o Iraque, os Emirados Árabes e a Venezuela.  

Hoje a China já importa carne bovina de 16 plantas frigoríficas do Brasil, que é o maior exportador mundial, com um rebanho de 215 milhões de cabeças de gado. O número de frigoríficos brasileiros habilitados a abastecer o país asiático deve ser ampliado com a visita técnica em novembro.  Ataídes acredita que a Cooperfrigu, de Gurupi, e a Minerva, de Araguaína, têm grandes chances de conseguir a habilitação.

Valor agregado

O presidente da Cooperfrigu, Oswaldo Stival, também está otimista, destacando o rigoroso controle de qualidade do rebanho bovino no frigorífico. Além do tamanho estupendo do mercado consumidor, outra  grande vantagem da exportação para a China, segundo ele, é o preço que o produto alcança no mercado.

“Os preços na China são de 10% a 25% mais altos do que em outros mercados. Temos um valor agregado enorme com a solicitação de cortes mais nobres, como contrafilé e filé mignon”, explicou.

De acordo com pesquisa do IBGE, o Tocantins possui hoje 8 milhões 652 mil cabeças de gado, o terceiro maior rebanho da região Norte. No ano passado, o Estado exportou cerca de 51 mil toneladas de carne bovina, o que somou mais de US$ 162,2 milhões