Estado

O Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Tocantins (SINTRAS-TO), manifestou repudio com a forma de pagamento do 13º salário dos servidores do Estado e afirma que é inaceitável a proposta da gestão estadual.

De acordo com o Governo o pagamento do 13º salário será feito nesta quarta-feira, 20, somente para 36.192 servidores, um percentual de 66,12%, equivalente a R$ 56.483.862,40. Já o pagamento dos demais servidores será feito até o dia 31 de janeiro de 2018. O Tocantins possui um total de 54.738 servidores.

Conforme o Governo a maior parte dos servidores que receberão nesta quarta-feira, fazem parte do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que tem salários a receber até R$ 3.694,44, totalizando uma folha de R$ 25.997,19.

Quanto aos servidores de outras fontes receberão quem tem salários até R$ 2.715,64.

A direção do sindicato destaca a importância da gratificação, pois, segundo afirma, nem sempre o 13º é aplicado em viagens e a maior parte dos servidores utilizam o salário para quitação de dívidas, compra de material escolar, despesas familiares, etc, afirma o Sintras.

O Sintras informa que oficiará o Governo exigindo que ele cumpra com sua obrigação até 31 de dezembro deste ano, pois, segundo o sindicato, por diversas vezes o Governo foi alertado pela entidade, durante o ano, para economizar no intuito de evitar essa situação.

Ainda segundo o sindicato, a comparação, feita pelo Governo, do Tocantins com outros estados da Federação é incoerente, pois, segundo o sindicato, a administração estadual do Tocantins é independente das outras federações, possui recursos próprios, tais como suas despesas que também são inferiores a outros estados. O sindicato também destaca que deve-se levar em conta o índice populacional do Estado.

“O governo mais uma vez deixa de cumprir sua obrigação, protelando direitos dos servidores. Muitos reservam esse salário para organizar a vida escolar dos filhos no ano vindouro, ou para fazer ajustes financeiros, e de última hora venha essa péssima notícia. Grande injustiça com os trabalhadores servidores desse Estado”, frisa o presidente Manoel Pereira de Miranda.

O Sintras conclui, afirmando que a gratificação é totalmente legal e é deixada de ser paga, enquanto o Governo pratica a contratação de pessoas para exercer cargos de assessoria e com salários vultuosos, os quais recebem sem cumprir a devida prestação de serviços.

Por: Redação

Tags: 13º salário, Governo do Estado, Sintras