Educação

Foto: Leila Novais

Os representantes da Organização Não Governamental (ONG) Repórter Brasil estão percorrendo o Tocantins divulgando o projeto Escravo, nem pensar! quetem como objetivo prevenir e diminuir o aliciamento de jovens moradores de cidades para o trabalho escravo e ao tráfico de pessoas. De acordo com o cronograma da ONG, os representantes da Repórter Brasil, Thiago Casteli e Rodrigo Teruel percorrerão oito Diretorias Regionais de Educação (DRE) realizando formação com os gestores e técnicos de cada Regional.

Segundo a ONG, estão sendo visitadas as Regionais de Araguaína, Araguatins, Colinas do Tocantins, Gurupi, Paraíso do Tocantins, Palmas, Porto Nacional e Tocantinópolis. Em todas as Diretorias, os técnicos abordam temas relacionados à erradicação do trabalho escravo e do tráfico de pessoas por meio da educação.

A previsão é que sejam contemplados 103 municípios e 376 escolas. Em Porto Nacional, participaram da formação 25 técnicos da Diretoria Regional de Educação. Na cidade histórica vizinha a Palmas, a avaliação foi positiva sobre as ações da ONG, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc).

De acordo com a diretora regional de Porto, Deuzelina Chagas, cabe à Diretoria Regional de Educação, além de outras ações, incluir a formação continuada no planejamento e Plano de Trabalho e multiplicá-la para as escolas.

“Porto Nacional já trabalha o Projeto e agora, com esta parceria entre a Seduc e a Repórter Brasil, possibilitará uma discussão mais acentuada sobre o tema trabalho escravo para, posteriormente, trabalharmos nas escolas com uma metodologia específica e formações de professores. Toda a equipe pedagógica de nossa Regional participou com entusiasmo da apresentação do projeto”, destacou.

Para a técnica da DRE, Dhambrya Morgana, responsável pelo programa na Regional, a formação foi positiva a partir do momento que esclarece pontos importantes sobre as relações de trabalho e os direitos dos trabalhadores. “É importante a conscientização da juventude estudantil sobre o mundo do trabalho e seus direitos como trabalhadores, além de esclarecer os trabalhadores sobre seus direitos”, disse.

Gurupi

Já na cidade polo do Sul do Estado, os técnicos da Diretoria Regional de Educação receberam uma palestra com o representante da ONG, Rodrigo Teruel, sobre o programa Escravo, nem pensar!.

Entre os participantes, a técnica de currículo de humanas, Sayonara Santos de Morais, destacou que o Programa pode fazer com que a comunidade perceba que o trabalho escravo e o tráfico de pessoas são sérias violações de direitos humanos e que, portanto, devem ser coibidos e punidos. “Diante disso, é um tema muito importante a ser discutido no ambiente escolar, pois diz respeito a todos nós, por isso devemos ser protagonistas no seu combate”, finalizou.

Além de Porto Nacional e Gurupi, os representantes da ONG já passaram também pela Diretoria Regional de Educação de Palmas, além de terem realizado uma reunião na sede da Seduc, no final de janeiro.

Tocantins

No Tocantins, existe um Plano Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo, Decreto nº 3.223, de 28 de novembro de 2007, cuja meta 524 é implementar o projeto Escravo, nem Pensar!, visando à capacitação de professores e lideranças comunitárias em torno do tema. No Plano Estadual de Educação do Tocantins (PEE/TO 2015 a 2025), a estratégia 12.5 “garante a formação de parcerias com órgãos governamentais e não governamentais para o enfrentamento de todas as formas de violência, discriminação, preconceito e exploração sexual e do trabalho de crianças, jovens, adultos e idosos(as), a fim de promover a construção da cultura de paz e da não violência, assegurando um ambiente dotado de segurança para a comunidade escolar”.