Educação

Foto: Marcos Filho Sandes Os alimentos também podem ser levados pelo aluno para consumir em casa. Os alimentos também podem ser levados pelo aluno para consumir em casa.

Escolas da rede pública municipal de Araguaína estão implantando hortas sustentáveis para a conscientização alimentar e sobre o meio ambiente dos estudantes, além de servir como atividades de educação para a vida, também existe a flexibilização na estrutura curricular, com o desenvolvimento de temas transversais que podem ser trabalhados nas disciplinas de geografia, ciências da natureza e matemática.

Na semana passada foi a vez da Escola Municipal Joaquim Carlos Sabinos dos Santos, no Lago Azul, concluir a horta que será cuidada junto com os alunos. De acordo com a diretora de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal da Educação (Semed), Marcélia Pereira de Sousa Leal, a horta funciona como um local que os professores podem usar em exemplos para trabalhar diversos assuntos em sala de aula. “Assim como o projeto do feijão no algodão, para se explicar sobre o solo e as plantas, é mais fácil ir até a horta”, contextualizou.

Os alimentos produzidos nas hortas são utilizados na merenda escolar, mas também podem ser levados pelo aluno para consumir em casa. Assim, o projeto também trabalha a educação alimentar e conscientização da produção do próprio alimento. As hortas têm variedades de cultura, como quiabo, jiló, pimenta, alface, tomate, coentro, cebolinha, rúcula, pepino, abóbora, entre outros.

Segundo a coordenadora da Escola Municipal Joaquim Carlos Sabinos dos Santos, Francisca Ferraz, o resultado do trabalho já começa a aparecer. “Nós fizemos uma ‘historinha da joaninha’, no meio da salada, a joaninha era o tomate. E até aquelas crianças que não gostam de verduras e legumes comeram de tudo”.

O Projeto

O projeto faz parte da proposta pedagógica na área de meio ambiente. Sete escolas de Araguaína já aderiram: Francisco Bueno de Freitas (Setor Maracanã), Joaquim de Brito Paranaguá (Setor Carajás), Manuel Lira, (Nova Araguaína), Meu Castelinho (Setor Oeste), Tereza Hilário Ribeiro (Setor Raizal), Luiz Gonzaga (Setor Costa Esmeralda) e na escola do campo José Nogueira (Projeto Rio Preto). Outras escolas estudam trabalhar a implantação de hortas verticais como solução para a falta de espaço.