Campo

A região central do Tocantins tem se destacado com o aumento da produção leiteira. Os fornecedores de leite da Coopernorte - Cooperativa Agropecuária Tocantinense Ltda, instalada em Paraíso, conseguiram aumentar em 20% a produção diária, passando de 12 mil litros para 15 mil litros por dia, somando 450 mil litros por mês. Os cooperados repassam o produto à Coopernorte, que paga cerca de R$ 200 mil por mês. O valor é dividido em duas parcelas quinzenais. Após ser beneficiado, o produto é comercializado em Palmas, Paraíso e Porto Nacional.

O crescimento da produção é um dos resultados alcançados por meio do Programa Leite e Derivados da Região do Central do Tocantins (Apleite) fomentado pelo Sebrae e demais parceiros, para organizar e fortalecer a cadeia produtiva do leite na região. De acordo com o gestor do programa, Daniel Tavares Rodrigues, o projeto foi implantado em 12 unidades demonstrativas. Dentre elas, estão Paraíso, Nova Rosalândia, Fátima, Barrolândia, Pugmil e Miranorte. Ao todo são atendidos 270 produtores cooperados.

O projeto está focado nas transferências de tecnologias e gestão. Para Tavares o aumento da produção está sendo possível a partir da mudança de atitude e comportamento dos produtores. “O grande segredo é a gestão. O pecuarista não é apenas produtor e sim um empresário rural. Hoje ele já sabe visualizar e identificar o quanto custa produzir um litro de leite e quanto está ganhando com a atividade”, enfatiza.

Para o produtor Iraci Leite Machado, dono da Fazenda São José, em Paraíso, o apoio do projeto também melhorou a condição de vida na fazenda. Machado investiu na infra-estrutura contratando novos funcionários e agora emprega quatro pessoas diretamente. “Em 2008, espero aumentar minha produção diária passando de 900 para 1.200 litros. Com isso, vou precisar de mais gente para trabalhar na fazenda”, afirma.

Benefícios sociais

A implantação do projeto possibilitou também a contratação de mão-de-obra temporária e fixa no campo, melhorando a qualidade de vida de produtores e trabalhadores rurais. Um dos beneficiados é o vaqueiro Antônio Nestor, que desempregado na zona urbana, conseguiu uma vaga na Fazenda São José, município de Barrolândia. Contratado há oito meses o vaqueiro exibe com orgulho a carteira de trabalho assinada. “Estava sofrendo na cidade sem emprego e agora estou tranqüilo, posso fazer compromisso no comércio. Todo mês o pagamento do patrão é certo”, declara.

Produção

Segundo dados da diretora de Produção Animal, da Secretaria Estadual da Agricultura, Érika Jardim, a produção de leite é uma das atividades que vem movimentando o agronegócio no Tocantins. O estado é o terceiro maior produtor de leite da região Norte do Brasil, fechando o ano com 250 milhões de litros do produto.

Mara Santos

 

Secom

Por: Redação

Tags: campo