Campo

Foto: Divulgação

Técnicos da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) viajaram para a França para pleitear junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), a recuperação do status sanitário internacional de 11 estados brasileiros e do Distrito Federal como zona livre de febre aftosa com vacinação.

Os técnicos vão apresentar ao grupo ad hoc da OIE relatório detalhado do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que demonstra a ausência de circulação do vírus da febre aftosa nos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Tocantins, Bahia, Sergipe e no Distrito Federal.

O grupo ad hoc da OIE avaliará a consistência técnica-científica do relatório preparado pela SDA antes de remetê-lo ao comitê científico da referida organização. Em fevereiro, o comitê se reúne para deliberar sobre o pleito brasileiro.

O diretor interino do Departamento de Saúde Animal da SDA, Guilherme Marques diz que com o reconhecimento que se espera obter da OIE, o Brasil terá cerca de 90% do rebanho bovino do país como livre de aftosa com vacinação.

Rússia auditará 40 frigoríficos do Brasil.

Os governos do Brasil e da Rússia assinaram na sexta feira, 18, o acordo de regras sanitárias para a certificação e a produção de carnes exportadas para aquele país. Esta semana, uma missão de oito agentes de inspeção russos virá ao Brasil e fará auditoria em mais 40 unidades frigoríficas para reabilitá-las à exportação.

As unidades ficam na região dos 11 Estados (Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia e Sergipe) e no Distrito Federal que ficou embargada pelo governo russo entre 2005 e dezembro de 2007, após o surgimento de casos de febre aftosa no Mato Grosso do Sul e no Paraná.

Neste período, apenas animais do Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia, Santa Catarina e de uma área do sul do Pará estavam sem embargo. A Rússia é o maior cliente individual de carnes do Brasil, com um comércio, em 2007, de 5,5 milhões de toneladas e um faturamento de US$ 3,38 bilhões. Da receita total, US$ 2 bilhões correspondem às exportações de carnes bovinas.

Da redação com informações Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Agência Estado

Por: Redação

Tags: Febre Aftosa, Pecuária, campo