Campo

O Estado de Goiás é um dos fortes candidatos, assim como o de Minas Gerais, a roubar do Paraná o segundo lugar no ranking dos maiores estados produtores de açúcar e álcool do País. A liderança é do Estado de São Paulo.

Um dos motivos que indicam a provável alteração de posições é a entrada de novas usinas em operação já na safra 2008/09. Em Goiás, há estimativa de que 10 novas unidades comecem a moer cana-de-açúcar nesta safra, segundo dados da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Dos estados que contarão com novas unidades produtoras já nesta safra, Goiás está em segundo lugar, logo depois de São Paulo, que terá 13 novas usinas operando.

"O aumento do número de usinas em Goiás e Mato Grosso do Sul é significativo. Já nesta safra o Paraná provavelmente será ultrapassado", comenta Antônio de Pádua Rodrigues, diretor técnico da Unica.

Minas Gerais atualmente ocupa o terceiro lugar no ranking de produtores e está na disputa. A topografia, o valor das terras e a futura logística favorável à exportação de etanol são as causas de os Estados de Goiás e Mato Grosso do Sul se tornarem altamente atraentes aos olhos de quem está apostando no setor, explica Pádua Rodrigues.

Ainda conforme a Unica, o Mato Grosso do Sul terá quatro unidades entrando em operação na safra 2008/09 e, o Paraná, duas novas usinas. Embora haja estréias, São Paulo ainda é o líder disparado em número de unidades produtoras de açúcar e álcool no país: 196. No total desta safra, o número de produtoras no Estado de Goiás saltará de 15 para 25 (considerando as novatas); Minas Gerais terá 36 unidades operando; o Paraná, 30; e o Mato Grosso do Sul, 15 usinas em funcionamento. As informações foram obtidas junto a sindicatos que reúnem as unidades produtoras de cada região.

Além do maior número de usinas trabalhando, claro sinal de alavancagem de produção de açúcar e álcool em cada região, é preciso levar em conta também a capacidade de moagem de cana em cada indústria, para verificar o potencial de produção.

Entre os estados que concorrem ao segundo e terceiro lugares no ranking de produtores - principalmente Goiás, Minas Gerais e Paraná -, o primeiro ainda não possui estimativa oficial sobre a moagem de cana para esta safra. No entanto, Minas Gerais espera moer 43 milhões de toneladas de cana, sendo que a produção de açúcar deverá chegar aos 2,6 milhões de toneladas e a de álcool aos 2 bilhões de litros.

O Paraná espera moer 45 milhões de toneladas de cana, com estimativa de produção de 2,8 milhões de toneladas de açúcar e 2,05 bilhões de litros de álcool. Os dados são da Federação de Agricultura de Minas Gerais (Faemg) e da Secretaria de Agricultura do Paraná (Seab).

Safra 2008/09

A Unica divulgou a primeira estimativa oficial sobre a produção da safra atual. A cana moída deverá atingir 498,1 milhões de toneladas, aumento de 16% em relação à safra anterior.

A produção de açúcar chegará a 28,6 milhões de toneladas e a total de álcool, incluindo hidratado e anidro, a 24,3 bilhões de litros - crescimentos de 9% e 19%, respectivamente, comparando com os resultados da safra passada.

Quanto às exportações, é previsto aumento de 27% nos embarques de etanol, para 3,9 bilhões de litros. Os principais destinos serão os Estados Unidos (incluindo o que é direcionado via países do Caribe) e União Européia. O motivo do aumento é a janela aberta pela alta dos preços do etanol de milho no mercado interno norte-americano.

A Unica está apostando fortemente no mercado europeu e, inclusive, contratou mais uma pessoa para atuar em seu escritório de Bruxelas, informou Marcos Jank, presidente da Unica. O novo representante é especialista naquele mercado, já que fazia parte da associação européia do etanol.

"Existe hoje um movimento contrário ao etanol brasileiro na Europa e estamos fazendo o possível para trabalhar a questão", diz Jank. No caso do açúcar, a Unica espera aumento de exportações em 15%, para 18,9 milhões de toneladas, principalmente pela redução da produção na Índia.

Fonte: DCI

Por: redação

Tags: Etanol, Goiás, campo