Opinião

A dis­pu­ta pe­la Pre­fei­tu­ra de Pal­mas, ao con­trá­rio de to­das as ou­tras elei­ções an­te­rio­res, não se­rá po­la­ri­za­da em ape­nas dois can­di­da­tos. Es­ta­rão na lu­ta pe­lo car­go o pre­fei­to Ra­ul Fi­lho (PT), a de­pu­ta­da fe­de­ral Nil­mar Ru­iz (DEM) e o de­pu­ta­do Mar­cel­lo Le­lis (PV). Mas até o dia 5 de ju­lho, da­ta pa­ra o re­gis­tro das can­di­da­tu­ras, a ex­pec­ta­ti­va é de que mui­tos con­cha­vos vão acon­te­cer. Es­ta elei­ção não se­rá fá­cil pa­ra ne­nhum dos três can­di­da­tos. Da­dos de uma pes­qui­sa re­cen­te, que es­tá guar­da­da de­bai­xo de se­te ca­pas, apon­tam os se­guin­tes da­dos: Nil­mar na fren­te, com 25 por cen­to; Ra­ul em se­gun­do, com 24 por cen­to, e Le­lis, em ter­cei­ro, com 19 por cen­to.

Ca­da um dos três can­di­da­tos tem a sua fa­tia do elei­to­ra­do pal­men­se e ne­nhum de­ve me­nos­pre­zar o po­ten­ci­al do ou­tro. A de­ci­são do plei­to vai de­pen­der do com­por­ta­men­to du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral, das pro­pos­tas apre­sen­ta­das e dos de­ba­tes no pa­lan­que ele­trô­ni­co. E é nes­se par­ti­cu­lar que o pre­fei­to Ra­ul es­pe­ra "de­to­nar" a can­di­da­ta Nil­mar, por­que vai fa­zer uma cam­pa­nha com­pa­ra­ti­va. Até sex­ta-fei­ra, 27, o que se es­pe­cu­la­va nos bas­ti­do­res era o apoio do PR do se­na­dor Jo­ão Ri­bei­ro à re­e­lei­ção de Ra­ul, da­da a ali­an­ça dos re­pu­bli­ca­nos com o PT em ní­vel na­ci­o­nal.

Ou­tro as­pec­to que po­de in­flu­en­ciar no êxi­to da re­e­lei­ção do pre­fei­to Ra­ul é o pos­sí­vel apoio do de­pu­ta­do Eli Bor­ges (PMDB), que foi der­ro­ta­do no di­re­tó­rio na sua pos­tu­la­ção de ser can­di­da­to. O PT acre­di­ta que a ve­re­a­do­ra Ed­na Ag­no­lin (PDT), de­vi­do ao seu tra­ba­lho so­ci­al na ci­da­de, po­de con­tri­bu­ir so­bre­ma­nei­ra pa­ra pu­xar vo­tos. O cer­to é que a Ali­an­ça da Vi­tó­ria fi­cou di­vi­di­da nes­ta dis­pu­ta. Uma ala vai acom­pa­nhar Nil­mar e a ou­tra, Ra­ul Fi­lho.

Nil­mar che­gou con­ver­sar na quin­ta-fei­ra, 26, com o ex-pré-can­di­da­to pe­lo PMDB Eli Bor­ges. Ela pro­cu­rou Eli pa­ra ten­tar con­ven­cê-lo a par­ti­ci­par de sua can­di­da­tu­ra. Mas, pe­lo jei­to, Eli ain­da es­tá res­sen­ti­do do "gol­pe" que so­freu. O go­ver­na­dor Mar­ce­lo Mi­ran­da po­de con­ven­cê-lo a com­por com Nil­mar.

O PT, que con­ta com o apoio Fren­te de Es­quer­da (PSB, PDT, PC do B, PRB, PDT e PPS), a exem­plo do DEM, re­a­li­za sua con­ven­ção na se­gun­da-fei­ra, 30, com os can­di­da­tos a vi­ce já de­fi­ni­dos. Ra­ul te­rá co­mo vi­ce a ve­re­a­do­ra Ed­na Ag­no­lin, do PDT, e Nil­mar, o ve­re­a­dor e pre­si­den­te li­cen­cia­do da Uni­ão dos Ve­re­a­do­res do To­can­tins (UVT), Evan­dro Go­mes (PMDB). Os par­ti­dos que com­põ­em a Uni­ão do To­can­tins re­a­li­za­ri­am su­as con­ven­ções no sá­ba­do, 28. A de­pu­ta­da Lu­a­na Ri­bei­ro (PR) era co­gi­ta­da pa­ra ser a can­di­da­ta a vi­ce de Mar­cel­lo Le­lis, mas o qua­dro po­de­ria so­frer um re­vés, uma vez que o PR ace­na­va com a pos­si­bi­li­da­de de se­guir com Ra­ul.

Evan­dro Go­mes dis­se que fi­cou mui­to fe­liz com a es­co­lha. Ele ha­via lan­ça­do a sua pré-can­di­da­tu­ra a pre­fei­to da ca­pi­tal, mas re­ti­rou em no­me da uni­da­de do PMDB, cu­ja can­di­da­tu­ra do de­pu­ta­do Eli Bor­ges fo­ra abor­ta­da du­ran­te a con­ven­ção do par­ti­do, re­a­li­za­da no dia 22. "Ago­ra que­ro sen­tar com Nil­mar pa­ra for­ma­tar­mos um pla­no de ad­mi­nis­tra­ção pa­ra Pal­mas que vi­ve­rá um no­vo tem­po, após nos­sa elei­ção", diz Go­mes.

O go­ver­na­dor Mar­ce­lo Mi­ran­da (PMDB) só de­fi­niu na ter­ça-fei­ra, 24, o apoio pú­bli­co à can­di­da­tu­ra da de­pu­ta­da Nil­mar à Pre­fei­tu­ra de Pal­mas. Nil­mar ad­mi­nis­trou a ci­da­de de 2001 a 2004, mas foi der­ro­ta­da por Ra­ul Fi­lho (PT) quan­do ten­tou a re­e­lei­ção.

O ex-de­pu­ta­do es­ta­du­al Jo­sé Au­gus­to Pu­gli­e­se foi con­si­de­ra­do den­tro do PMDB co­mo prin­ci­pal ar­ti­cu­la­dor pe­la co­li­ga­ção do par­ti­do com o DEM. Ele acre­di­ta que o apoio do go­ver­na­dor a uma can­di­da­ta de par­ti­do ad­ver­sá­rio do pre­si­den­te Lu­la não vai pre­ju­di­car a re­la­ção da ad­mi­nis­tra­ção es­ta­du­al com o Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Pu­gli­e­se dis­se que Lu­la não es­tá in­ter­fe­rin­do nas elei­ções mu­ni­ci­pa­is, ao ci­tar o exem­plo da Ba­hia, on­de um mi­nis­tro é con­trá­rio ao can­di­da­to do PT em Sal­va­dor.

Opo­si­ção

Os de­sen­ten­di­men­tos não ocor­re­ram so­men­te na ba­se ali­a­da do go­ver­no. A opo­si­ção tam­bém vi­veu di­as an­gus­ti­an­tes na se­ma­na pas­sa­da, quan­do a Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal do PSDB emi­tiu uma re­so­lu­ção pro­i­bin­do o par­ti­do em Pal­mas de se ali­ar ao DEM, da de­pu­ta­da Nil­mar. A ação vi­sou neu­tra­li­zar a in­ten­ção de in­te­gran­tes do di­re­tó­rio mu­ni­ci­pal tu­ca­no que pre­ten­di­am le­var a le­gen­da pa­ra a co­li­ga­ção Ali­an­ça da Vi­tó­ria, o que al­te­ra­ria o qua­dro po­lí­ti­co da ca­pi­tal, co­lo­can­do jun­tos dois ad­ver­sá­rios po­lí­ti­cos do mo­men­to: o ex-go­ver­na­dor Si­quei­ra Cam­pos (PSDB) e o go­ver­na­dor Mar­ce­lo Mi­ran­da (PMDB).

O de­pu­ta­do fe­de­ral Eduar­do Go­mes (PSDB) ga­ran­tiu que os tu­ca­nos vão res­pal­dar Le­lis na dis­pu­ta elei­to­ral des­te ano. Com is­so, o di­re­tó­rio re­gi­o­nal tu­ca­no re­sol­veu dis­sol­ver o di­re­tó­rio mu­ni­ci­pal e no­me­ou o su­plen­te de de­pu­ta­do fe­de­ral Frei­re Jú­ni­or co­mo pre­si­den­te da Co­mis­são Pro­vi­só­ria. O pre­si­den­te do me­tro­po­li­ta­no era o te­nen­te Cé­lio, que pre­ten­dia uma apro­xi­ma­ção com a Ali­an­ça da Vi­tó­ria. Na lu­ta de ras­tei­ras dos co­ro­néis, quem le­vou o gol­pe fi­nal foi o te­nen­te.

Fonte: Jornal Opção 

Gilson Cavalcante

Por: Redação

Tags: Marcelo Lelis, Opinião