Opinião

Um fato

O até então pré-candidato do PMDB à prefeitura de Palmas, Eli Borges, participou da convenção do partido mesmo com o jogo de forças do qual participou de maneira perfeita, plenamente democrática. Saiu fortalecido da convenção do PMDB. O até então limitado Eli Borges que circunscrevia o seu poder a alas internas dentro do partido e seus fieis eleitores que não são poucos, mas também não são suficientes para quem deseja ir além de uma legislatura estadual, conseguiu sair fortalecido do encontro. Conseguiu que boa parte do partido tivesse no mínimo uma consideração pelo modo democrático, e muitas vezes prejudicial a própria candidatura, como conduziu a convenção, decidindo tudo no voto, até o desfavorável e perdido.

Outro fato. Um exemplo

Em 1989, poucos meses após criado o estado do Tocantins, o PMDB realizou uma convenção em Guaraí de onde era líquido e certo a indicação de José dos Santos Freire para candidato ao Governo do Tocantins. O então prefeito de Paraíso, Moisés Nogueira Avelino foi o pré-candidato derrotado naquela convenção. Já foi para a famosa reunião de Guaraí, embora com grande apoio de prefeitos da região central, e até de parte da região sul do Tocantins, sabendo da derrota. Na convenção, ele e seus aliados lutaram e espernearam como Eli Borges até a última hora, mas saíram de lá para a campanha de Freire, mesmo que na convenção representassem justamente a resistência de grande parte do modebas a José dos Santos Freire.

Resultado disso: o candidato derrotado saiu deputado federal escolhido da convenção com uma forte mobilização dos modebas do estado inteiro e ainda na eleição seguinte com a vaga de governador praticamente garantida apesar de começar por baixo inicialmente nas pesquisas e contra a máquina do Governo, que aqui no Tocantins é muito mais importante que praticamente todos os outros estados da federação brasileira.

Será?

Eli Borges, modeba de longo tempo, nessa época não estava no PMDB e não presenciou esse momento. Se tivesse presenciado teria aprendido como seria o candidato natural para a próxima eleição municipal. Mas, Eli é inteligente o suficiente pra minimizar suas declarações de resistência e na segunda-feira, 30, subir ao palco e abraçar Nilmar Ruiz e declarar seu apoio à candidata escolhida democraticamente em convenção dirigida por ele. Aliás, a democracia foi garantida por ele mesmo quando conseguiu que a escolha se desse no voto. Se for mais inteligente ainda, dirá que o faz por fidelidade ao partido, declarando que seguirá os rumos que o PMDB escolher.

Outro fato. Outro exemplo?

A deputada Josi Nunes (PMDB) que ainda não era a candidata da Aliança da Vitória; que na eleição foi formada pelo PMDB, PFL (hoje Democratas) e PPS, PDT e outros partidos que não podiam se coligar com PFL e PPS formaram outra chapa de apoio à Marcelo Miranda; conversou com o governador Marcelo Miranda no início da semana passada, na segunda, 23, e colocou seu nome à disposição do governador para que ele fizesse o que lhe fosse conveniente à Aliança da Vitória.

Na terça-feira, 24, o governador conversou com Eduardo do Dertins (PPS) e pediu para ele pensar, mesmo pedido feito à Eli Borges na semana anterior. Eduardo do Dertins ponderou por dois dias mais algumas horas e na sexta, 27, cedinho atendeu ao pedido do governador. Como resultado a Aliança da Vitória, o núcleo base, mais o PSB de Laurez Moreira vai unida numa candidatura à prefeitura de Gurupi. Algo que não aconteceu aqui em Palmas, onde o Governo é muito mais presente e forte.

 

Giordano Maçaranduba

Por: Redação

Tags: Opinião