Polí­tica

Foto: Carlos Roberto

Em entrevista concedida ao Jornal opção o prefeito de Palmas, Derval de Paiva (PMDB) disse que vai de­sen­vol­ver um tra­ba­lho jun­to ao pe­e­me­de­bis­mo pa­ra mos­trar que es­te par­ti­do sem­pre es­te­ve, historicamen­te, li­ga­do ao gru­po de partidos que compõe a Força do Povo, coligação que busca a reeleição do prefeito lincenciado Raul Filho (PT).

Segundo Derval este trabalho será feito pela sua pessoa enquanto cidadão que não se confunde com o prefeito. Para ele uma multidão de peemedebistas autênticos o acompanhará nesta jornada. Ainda segundo Derval a Ali­an­ça da Vi­tó­ria aca­bou sen­do no­ci­va aos in­te­res­ses his­tó­ri­cos do PMDB.

Confira a entrevista

O se­nhor as­su­me a ad­mi­nis­tra­ção da pre­fei­tu­ra da ca­pi­tal por três mes­es, no mí­ni­mo. Qua­is os seus pla­nos pa­ra es­te pe­rí­o­do?

Na ver­da­de, não tem de in­ven­tar na­da. É to­car pra fren­te to­do es­se acer­vo de pro­gra­mas e obras que es­tá em mar­cha. Te­nho consci­ên­cia de que es­ta­rei tam­bém nu­ma ho­ra po­lí­ti­ca mui­to im­por­tan­te. Den­tro dos li­mi­tes im­pos­tos pe­la lei e da cau­te­la que to­do ad­mi­nis­tra­dor tem que ter com a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal, a mi­nha ação se­rá mui­to vol­ta­da pa­ra o cam­po po­lí­ti­co. O Der­val es­tá mais na fren­te po­lí­ti­ca. Não es­tou aqui ape­nas pa­ra cum­prir meu de­ver cons­ti­tu­ci­o­nal, e sim dar con­ti­nui­da­de ao bom tra­ba­lho que Ra­ul Fi­lho vem re­a­li­zan­do nes­ta ci­da­de que tan­to ama­mos.

O que sig­ni­fi­ca es­tar mais na fren­te po­lí­ti­ca?

É de­sen­vol­ver um tra­ba­lho jun­to ao pe­e­me­de­bis­mo, cor­ren­te san­güí­nea, pa­ra mos­trar que es­te par­ti­do sem­pre es­te­ve, historicamen­te, li­ga­do ao gru­po com o qual ele es­tá se ali­an­do ago­ra (PT e par­ti­dos de cen­tro-es­quer­da), pe­lo me­nos a ala à qual per­ten­ço.

Por que o PMDB não che­gou a um acor­do com o PT não só em Pal­mas co­mo em ou­tras ci­da­des? O pro­ces­so foi mal con­du­zi­do?

O pro­ces­so fi­cou en­ges­sa­do. Na ver­da­de, a pas­ta po­lí­ti­ca do go­ver­no não aten­tou pa­ra is­so ou, se aten­tou, não te­ve au­to­ri­da­de ou com­pe­tên­cia de con­ven­cer o go­ver­no de que es­ta era a vir­tu­al re­cei­ta, era o me­lhor nor­te, o ca­mi­nho mais vi­á­vel. E, por ou­tro la­do, a apa­tia em ci­ma de uma fi­gu­ra mui­to in­te­res­san­te que foi cri­a­da aqui, que é o gru­po ali­a­do à Ali­an­ça da Vi­tó­ria, mas que aca­bou sendo no­ci­va aos in­te­res­ses his­tó­ri­cos que o PMDB sem­pre en­ce­tou des­de a sua cri­a­ção.

Co­mo se­rá es­se tra­ba­lho po­lí­ti­co que o se­nhor pre­ten­de de­sen­vol­ver até o dia 5 de ou­tu­bro?

Não po­de­mos con­fun­dir a fi­gu­ra do pre­fei­to com a do ci­da­dão Der­val. O pre­fei­to vai dar se­qüên­cia a to­dos os pro­je­tos em an­da­men­to, mas o ci­da­dão vai es­tar no cam­po po­lí­ti­co. É pos­sí­vel sim to­car o si­no e acom­pa­nhar a pro­cis­são ao mes­mo tem­po.

Com o PMDB di­vi­di­do em Pal­mas, não vai com­pli­car o qua­dro po­lí­ti­co pa­ra a su­ces­são em 2010? A Ali­an­ça da Vi­tó­ria não es­ta­ria já es­fa­ce­la­da? O DEM não saiu ga­nhan­do es­pa­ços com es­sa de­fec­ção?

O PMDB sem­pre foi um par­ti­do com du­as fren­tes. To­da vi­da, des­de o tem­po em que exis­tia o bi­par­ti­da­ris­mo, com os au­tên­ti­cos e os mo­de­ra­dos. Eu per­ten­cia ao gru­po dos au­tên­ti­cos. Es­tá aí a his­tó­ria pa­ra pro­var e, au­ten­ti­ca­men­te, con­ti­nuo na mes­ma po­si­ção e en­ten­den­do sem­pre que vai ter fren­tes opos­tas a ela. E es­sa fren­te da qual fa­ço par­te es­tá his­to­ri­ca­men­te li­ga­da aos par­ti­dos mais à es­quer­da, por­que fo­mos nós que com­ba­te­mos a di­ta­du­ra, o gru­po au­tên­ti­co com­ba­teu, no seu pas­sa­do, à di­ta­du­ra. Es­ta­mos do la­do opos­to de qual­quer coi­sa que se as­se­me­lhe à di­ta­du­ra.

O que o le­vou a de­ci­dir pe­lo apoio à re­e­lei­ção do pre­fei­to Ra­ul Fi­lho?

Es­ta­rei na cam­pa­nha de cor­po e al­ma, com con­sci­ên­cia de que es­tou fa­zen­do o me­lhor pos­sí­vel den­tro de meu es­pí­ri­to de coerência. A es­co­lha do go­ver­na­dor e de uma ala do PMDB pe­la can­di­da­tu­ra da de­pu­ta­da de­mo­cra­ta não agra­dou aos peemedebistas histó­ri­cos. Por­tan­to, de­vi­do à mi­nha au­ten­ti­ci­da­de e à mi­nha co­e­rên­cia, não ti­ve ou­tra al­ter­na­ti­va se­não apo­i­ar a reelei­ção do prefeito. Acre­di­to no tra­ba­lho do Ra­ul, por quem te­nho ami­za­de, e de­pois que o par­ti­do op­tou por não ter can­di­da­tu­ra própria, resolve­mos man­ter a co­e­rên­cia e fi­car com ele.

Qua­is os pe­e­me­de­bis­tas que vão se­guir o sr. nesta em­prei­ta­da?

Est­a es­ta­tís­ti­ca eu ain­da não te­nho, mas se­rá uma mul­ti­dão de pe­e­me­de­bis­tas au­tên­ti­cos. Não ci­ta­rei no­mes, por­que, ci­tan­do alguns, pos­so omi­tir ou­tros. Mais na fren­te o elei­to­ra­do de Pal­mas e do Es­ta­do vai sa­ber. [O de­pu­ta­do Eli Bor­ges, que par­ti­ci­pou da so­le­ni­da­de e foi mui­to aplau­di­do, com a sua pre­sen­ça na ce­ri­mô­nia, dei­xou im­plí­ci­to o seu apoio a Ra­ul. O de­pu­ta­do Moi­sés Ave­li­no tam­bém de­ve se­guir o mes­mo ru­mo, en­tre ou­tros no­mes de pe­so.] Mas é uma le­gi­ão de pe­e­me­de­bis­tas que não abre mão de seus prin­cí­pios. É o san­gue da de­mo­cra­cia mes­mo, da an­ti-pe­tu­lân­cia, do an­ti-man­do­nis­mo e an­ti-au­to­ri­ta­ris­mo.

O PMDB não vai fi­car fra­gi­li­za­do pa­ra a su­ces­são go­ver­na­men­tal da­qui a pou­co mais de dois anos?

É di­fí­cil fa­zer pre­vi­sões pa­ra um plei­to que ain­da es­tá dis­tan­te. É pre­ci­so ob­ser­var um pou­co mais o an­dar da car­ru­a­gem. Nest­se mo­men­to, po­de­ria lem­brar as elei­ções de 2004. Per­gun­to: se nós não ti­vés­se­mos ga­nha­do a elei­ção com Ra­ul Fi­lho em Pal­mas; com Ar­naud Be­zer­ra, em Pa­ra­í­so; com Pau­lo Mou­rão, em Por­to Na­ci­o­nal; en­tre tan­tas ou­tras vi­tó­rias, o go­ver­na­dor Mar­ce­lo Mi­ran­da te­ria cam­po pa­ra vir pa­ra on­de ele veio? Ele só pô­de por­que nós cri­a­mos uma si­tu­a­ção des­sas. Elei­ções pa­ra 2010 ou 2012 já são ou­tras si­tu­a­ções po­lí­ti­cas, que de­vem apre­sen­tar mui­tas nu­an­ces que vão acon­te­cer e que, na­tu­ral­men­te, de­ve­rão ser ob­ser­va­das. Na épo­ca, va­mos to­mar a de­ci­são que achar­mos mais co­e­ren­te e acer­ta­da. Ago­ra, nós es­ta­mos agin­do cor­re­ta­men­te. E o peemede­bis­mo já mar­cou sua po­si­ção em to­das as elei­ções.

O li­cen­cia­men­to de Ra­ul Fi­lho po­de ser con­si­de­ra­do co­mo uma gran­de sa­ca­da po­lí­ti­ca?

Ra­ul de­ve ser aplau­di­do por is­so. Por dois for­tes mo­ti­vos: pri­mei­ro, é pa­ra di­zer que não faz exer­cí­cio da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va em be­ne­fí­cio de sua cam­pa­nha elei­to­ral. Ele es­tá fo­ra da ges­tão pa­ra de­sem­pe­nhar o seu tra­ba­lho. A ami­nha pre­sen­ça aqui es­tá dividida em dois. Uma é o pre­fei­to em exer­cí­cio cum­prin­do a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal e a ou­tra é o ci­da­dão po­lí­ti­co, tra­ba­lho que vou de­sen­vol­ver até as 18 ho­ras do dia 5 de ou­tu­bro. E à noi­te do mes­mo dia, co­me­mo­rar o re­sul­ta­do da elei­ção, que já antevejo. Mas o mo­ti­vo do li­cen­cia­men­to de Ra­ul Fi­lho é pa­ra que te­nha mais tem­po de se de­di­car com afin­co aos inú­me­ros compro­mis­sos po­lí­ti­cos que uma cam­pa­nha elei­to­ral exi­ge.

O se­nhor es­tá pen­san­do em fa­zer uma mi­ni-re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va?

Não. Na­da de re­for­ma. Não de­mi­to. E to­dos que fo­rem ser­vi­do­res têm a li­ber­da­de de exer­cer de­mo­cra­ti­ca­men­te o seu di­rei­to de voto. Car­gos co­mis­sio­na­dos, tal­vez no­meie um ou ou­tro.

 

Fonte: Jornal Opção

 

 

Por: Redação

Tags: Derval de Paiva, PMDB, Política