Campo

Foto: Tabela (clique na figura para ampliar) (clique na figura para ampliar)

Dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea-USP), apontam que o sal mineral, insumo que teve a maior variação de preço neste ano, teve pequena alta de 1,9% de agosto para setembro, acumulando reajuste de 96,4% em 2008 na média Brasil (GO, MG, MT, MS, PA, PR, RS, RO, SP e TO). A maior alta desse insumo em setembro, de 6%, foi verificada em Minas Gerais. Já alguns estados pesquisados chegaram a registrar queda nos valores do sal mineral, como em Goiás, Mato Grosso do Sul e Rondônia, com baixas de 0,25%, 2,1% e de 2%, respectivamente, de agosto para setembro.

Outro item que teve forte valorização neste ano, ocupando o segundo lugar entre as altas, foram adubos e corretivos. No acumulado deste ano (janeiro a setembro), a elevação é de 52,7%. Em setembro, os preços dos adubos e corretivos frearam o movimento de alta e registraram apenas ligeiro aumento de 0,3%. Considerando todos os estados dessa pesquisa, no Pará foi verificado o maior reajuste dos adubos e corretivos, de 9,3% somente em setembro e em Tocantins, a maior baixa, de 7,1%.

Apesar das desvalorizações do bezerro em agosto e setembro, o animal para reposição (de 8 a 12 meses) ainda ocupa o terceiro lugar entre os maiores aumentos de 2008. No acumulado do ano, a alta chega a 37,44%. De agosto para setembro, contudo, houve baixa de 3,45% nos preços do bezerro - média Brasil. As reduções mais significativas foram verificadas no Pará e em Mato Grosso, ambas de 6,67%. Somente Minas Gerais apresentou alta nas cotações do bezerro entre os dez estados pesquisados, de 2,28% em setembro.

Na seqüência estão os insumos para a construção e construção civil, com altas de 4,6% e 2,46% em setembro e de 32,45% e 28,44% no acumulado do ano, respectivamente. O item Sementes forrageiras teve ligeiro aumento de 0,44% de agosto para setembro, mas ainda acumula alta de 19,69% neste ano. Os estados em que esse insumo mais valorizou foram Mato Grosso, com aumento de 9,35%, e Rondônia, com 4,1%.

Fonte: DBO - Portal de Negócios da Pecuária

Por: Redação

Tags: Insumos, Pecuária, campo