Economia

Foto: Jane de Araújo (E/D) Sen. João Ribeiro (PR-TO), Roseana Sarney (PMDB-MA), Min. Guido Mantega e presidente do Senado, Garibaldi Alves (E/D) Sen. João Ribeiro (PR-TO), Roseana Sarney (PMDB-MA), Min. Guido Mantega e presidente do Senado, Garibaldi Alves

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, conversou, na manhã desta terça-feira, 2, com o presidente do Senado, Garibaldi Alves, e com os líderes partidários, sobre a crise financeira global , e reconheceu nesse encontro que, nos próximos meses, o Brasil assistirá a uma redução de sua atividade econômica. Ao sair do Senado, contudo, indagado pela imprensa se o Brasil crescerá menos que 3% no próximo ano, respondeu: "não acredito".

Mantega esteve no Senado para anunciar às lideranças partidárias que o governo enviará ao Parlamento, a partir desta quarta-feira, 3, uma medida provisória (MP), um projeto de lei complementar e três projetos de lei perdoando as dívidas, de até R$ 10 mil, de pessoas físicas e empresas que foram inscritas no cadastro da dívida ativa da União até dezembro de 2003. O perdão dessas dívidas começará a valer a partir da edição da MP.

“Vim aqui explicar o conteúdo do que vamos enviar. São medidas destinadas a simplificar bastante a vida do contribuinte brasileiro. É um novo modelo de gestão da divida ativa brasileira. Faz uma limpeza no cadastro e diminui os custos da cobrança”, afirmou.

O ministro anunciou essas medidas, lamentando que a reforma tributária, em sua avaliação desejada pelo governo e pela sociedade, não seja votada logo, nas duas Casas do Legislativo. Ele lembrou que a própria oposição cobrava essa iniciativa do governo e observou que, se aprovada, essa providência simplificaria a atividade industrial e aumentaria o crescimento econômico e a arrecadação de tributos.

Medidas

Cobrado insistentemente pelos jornalistas sobre o desempenho da economia brasileira, Mantega declarou que o país registra desaceleração em outubro, novembro e dezembro, explicando que isso já era previsto em razão da crise mundial. Também admitiu que a performance da atividade industrial será lenta, mas assegurou que a economia não sofrerá uma queda brusca, como aconteceu nos Estados Unidos.

Os líderes do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), e do PSB, Renato Casagrande (ES), deixaram a reunião elogiando a iniciativa governamental de conversar com os senadores antes do envio desse pacote de medidas econômicas.

Casagrande disse que o custo de administrar a cobrança dessas dívidas é maior que o custo de perdoar os débitos. E sobre a vinda do ministro, comentou: “Se houver sempre um diálogo antecedendo o envio das medidas, facilita a tramitação. Facilita também o trabalho dos líderes”, disse.

Romero Jucá disse que os senadores participantes da reunião ficaram satisfeitos com as explicações. Em sua opinião, o Congresso agora terá a opção de fazer emendas e ajustes ao pacote de medidas. “É mais fácil um jogo combinado que um jogo de um lado só”, disse Jucá.

Fonte: Agência Senado

Por: Redação

Tags: Economia, Reforma Tributária, Senado