Cultura

Foto: Divulgação

Neste sábado, 30, o escritor Eliosmar Veloso, presidente da AGL - Academia Gurupiense de Letras, lança o livro “Janela da Liberdade”. A noite de autógrafos acontece a partir das 20 horas, no Centro Cultural Mauro Cunha. A obra é o primeiro romance publicado por Veloso, que também é autor de “ O amor e a vida" –1986 (poesias); “Três vias” - 2000 (textos teatrais); “Vestígios” - 2004 (poesias) e “Caminho de Pedras” - 2004 (autobiográfico). Participou ainda da Antologia Literária Internacional Del´Secchi, em 1999 e integrou o Colégio Eleitoral do Prêmio Multicultural Estadão.

Veloso consegue mostrar o sofrimento de quem vive aprisionado por conceitos radicais, mas também indica o caminho do amor que a tudo supera e que na sua trajetória tenta passar suavemente, sem magoar ninguém. Mas se não for possível, agirá com força oriunda da alma, que a tudo vence, a tudo supera, capaz de quebrar as correntes e obstáculos propostos no caminho.

O escritor e teólogo João Gomes da Silva, que assina a apresentação da obra, lembra que a liberdade é o maior bem da vida doado pelo criador às suas criaturas, ressaltando que toda vez que esse direito é violado, viola-se juntamente a própria vida, que nunca poderá ser feliz quando privada de um bem que lhe é inerente existencialmente.

Para João Gomes, em “Janela da Liberdade” está explicitada essa tese em forma de romance, onde o autor o detalha na rigidez da vida familiar patriarcal, e mostra que nem sempre a dureza no trato familiar conduz ao equilíbrio por ferir sentimentos que são respeitados pelo próprio criador.

O autor nos transmite a mensagem de que a vitória do amor sobre o ódio, superando o medo, transforma a amargura em sorriso e deixa-nos um recado de alerta com voz que ecoa em todo universo dizendo que o amor e a liberdade devem coexistir.

Sobre o autor

Eliosmar Veloso é o nome literário de Eliosmar Ferreira Batista, nascido em Marabá, no Pará, mas reside em Gurupi desde 1982. É poeta, escritor, dramaturgo, diretor teatral e artesão. Já escreveu e dirigiu mais de 30 espetáculos teatrais, com destaque para o teatro de comédia, porém, sempre enfocando em seus textos questões sociais. Administrou o Centro Cultural Mauro Cunha, além de ter sido responsável pela Coordenadoria de Arte e Cultura da Secretaria Municipal de Educação (1997/2000), tendo se destacado n o campo da literatura por ter colocado em prática o projeto do Anuário de Poetas e Escritores de Gurupi, que teve quatro edições. Presidiu a Associação dos Artesãos de Gurupi (1993/95), e participou da fundação da Academia Gurupiense de Letras, onde ocupa a Cadeira nº 02 e foi eleito presidente por duas vezes.

(Zacarias Martins)