Meio Ambiente

Foto: Divulgação

Um instrumento de gestão e ordenamento territorial, definido pelo Sistema de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), com o objetivo de garantir a manutenção dos processos ecológicos nas áreas de ligação entre unidades de conservação, permitindo assim, o fluxo de genes e a livre dispersão das espécies entre estas áreas naturais protegidas.

Assim se define um corredor ecológico, medida buscada pela Secretaria de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (SRHMA), em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), em cooperação técnica com a Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA) e do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins).

Entre as principais ações estão o incentivo à preservação ambiental, através de investimentos e ICMS ecológico, fortalecimento das comunidades, com alternativas de renda tais como: agricultura familiar, artesanato, pecuária intensiva e apicultura e ainda, o fortalecimento das instituições e órgãos municipais para auxiliar o Governo Estadual no combate a prática de destruição, como a queimada, por exemplo.

Por falar em queimadas, este foi um dos principais temas discutidos pelos elaboradores do projeto, que acreditam haver uma alternativa de se evitar tais práticas. Segundo eles, se a comunidade tiver plantações pensará duas vezes antes de começar um fogo, por receio de destruí-las, por isso é tão importante o incentivo aos cultivos nestas áreas, sem esquecer da sustentabilidade.

Resultados

Com a efetivação do corredor ecológico do Jalapão, espera-se que haja o incentivo aos artesãos e agricultores e apicultores, assim como aos pecuaristas intensivos, fortalecimento das Secretarias Municipais de Meio Ambiente, criação de leis municipais ambientais, criação de conselhos de meio ambiente e o desenvolvimento de atividades participativas pela comunidade. Tudo isso resultará numa melhor conservação do parque, uma melhor qualidade de vida para a comunidade local, mais empregos e desenvolvimento econômico para a região.

Para o diretor de meio ambiente da SRHMA, Belizário Franco, o projeto irá contribuir de forma significativa não só para a preservação ambiental, mas para um diagnóstico socioeconômico-ambiental das áreas de conservações de toda região, o que facilitará todos os trabalhos futuros naquelas áreas.

Além dos órgãos e entidades envolvidas na elaboração do projeto, o grupo busca parceria com as Secretarias de Planejamento, Agricultura Pecuária e Abastecimento e com o Ruraltins.

Cerrado Sustentável

Como medida de conservação e preservação ambiental desenvolvida pela SRHMA, a Diretoria de Meio Ambiente da pasta apresentou dados do Projeto Cerrado Sustentável, desenvolvido em parceria com o Banco Mundial, para aumentar da proteção da biodiversidade ao nível de ecossistema e espécies; realçar o uso sustentável da biodiversidade do Cerrado no cenário da produção que cerca áreas protegidas; fortalecer a capacidade do Estado para conservação e monitoramento da biodiversidade e monitorar os subprojetos, avaliar e disseminar informações.

Fonte- Assessoria de Imprensa/ Srhma