Polí­tica

Foto: Divulgação

O Partido Progressista que era da base do ex-governador Siqueira Campos (PSDB) mas neste pleito de outubro rompeu com o grupo do tucano, não deve tentar abrir diálogo com o novo governo, segundo afirmou ao Conexão Tocantins o deputado estadual da legenda e que foi reeleito, Raimundo Palito (PP).

“Vamos ficar sendo oposição, eu e Lázaro (Botelho - deputado federal) vamos conversar e nos manteremos oposição”, afirmou o parlamentar. O PP, indicou a vice, Valderez Castelo Branco na coligação de Gaguim. Para Palito, a contribuição do partido na campanha de Carlos Henrique Gaguim (PMDB) foi cruscial. “Nossa contribuição foi importante para a campanha dele, tanto é que depois que o PP aderiu a campanha ficou diferente”, disse.

O parlamentar afirmou ainda que a recente ruptura do PP com Siqueira impedirá um bom relacionamento com o novo governador. “Será difícil, principalmente pela maneira como o PP foi tratado por ele”, afirmou.

Sem contato

O presidente regional do partido, deputado federal reeleito Lázaro Botelho informou através da Assessoria de Imprensa que não falará sobre o assunto nesta semana. Botelho está em Brasília onde resolve também questões relativas ao partido.

Já Valderez, que concorreu ao cargo de vice, também ainda não pronunciou sobre as eleições.