Polí­tica

Foto: Divulgação

Nesse processo de transição de governo as áreas da Saúde e da segurança Pública estão numa situação estrutural complicada no Estado. Os reflexos do atual cenários vivido nestas áreas segundo o vice-governador eleito, João Oliveira (DEM) será sentido no governo de Siqueira Campos (PSDB) que assumirá em janeiro. “A saúde esta caótica, a educação piorou neste último ano”, apontou o deputado, criticando a atual situação de algumas áreas do Estado.

Oliveira apontou possível uso da máquina na campanha de reeleição do governador Carlos Henrique Gaguim (PMDB). “Foram muitos gastos sem limite na campanha”, frisou.

Diante da declaração do secretário da Fazenda, Marcelo Olímpio de que o governo poderá deixar dívidas para a gestão de Siqueira, o vice-governador eleito lamentou e prevê uma situação complicada nos primeiros meses de governo. “Sei que o governador Siqueira Campos está cheio de boas intenções determinado para fazer a melhor gestão da vida dele mas vai encontrar um Estado com grandes dificuldades financeiras, e uma folha de pagamento inchada”, relatou.

Oliveira acusou ainda o atual governo de má gestão administrativa. “Fizeram muita caridade com o dinheiro alheio”, frisou. No entanto, “arrumar a casa” não deve ser obstáculo para Siqueira, segundo Oliveira. “Siqueira é amansador de burro bravo e sabe administrar”, falou. Para o democrata há a necessidade de moralizar o Estado financeiramente e politicamente.

Composição

Sobre a participação do partido na composição do novo governo, Oliveira não deu detalhes e disse que Siqueira é quem decidirá quais pastas terão aliados da legenda. “Essa questão da partilha do governo é o governador que vai analisar”, disse. O critério, segundo ele, será o merecimento de cada um.