Polí­tica

Foto: Divulgação

Passadas as eleições que decretaram a vontade da população em colocar a ex-ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT) na presidência da república e o ex-governador Siqueira Campos (PSDB) novamente como governador do Tocantins, resta aos partidos políticos, coligações e candidatos manterem os trabalhos para fecharem as prestações de contas referentes ao pleito de 2010.

Todos os dados referentes às arrecadações e gastos da campanha eleitoral deste ano estão disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (www.tse.jus.br) e são abertos a todos os interessados.

De acordo com os dados do TSE, os partidos dos dois candidatos ao governo do Estado na eleição de 2010 arrecadaram juntos, cerca de R$ 26,5 milhões. Foram doações registradas de pessoas físicas, jurídicas e de diretórios estaduais das siglas.

O que chama a atenção, no entanto, não são os valores arrecadados durante o período eleitoral, mas sim aqueles que os comitês financeiros dos partidos receberam após o dia 3 de outubro, data das eleições. Ou seja, fim do processo eleitoral no Tocantins, uma vez que no Estado não houve segundo turno.

PSDB

O comitê financeiro do candidato eleito Siqueira Campos (PSDB) teve arrecadação um pouco menor que a do PMDB de Carlos Henrique Gaguim (PMDB), candidato derrotado à reeleição. Ao todo, o PSDB conseguiu juntar pouco mais de R$ 10,5 milhões. Entretanto, o que chama atenção é que, do total arrecadado pelo financeiro tucano, cerca de R$ 5,95 milhões foram recebidos após o dia 3 de outubro, ou seja, mais da metade da receita total do partido siqueirista veio depois de passado o escrutínio.

Ao contrário do caso do governador, o comitê de Siqueira teve o maior número de suas arrecadações extemporâneas vindas de empresas e bancos. Cerca de R$ 2,5 milhões partiram destas pessoas jurídicas. Apenas o banco BMG doou 2 milhões.

Contudo, o que mais chama a atenção, é que o maior volume monetário de uma doação veio de uma pessoa física. Segundo a planilha do TSE, somente o empresário Rossine Aires Guimarães doou, após a eleição, um montante de R$ 3 milhões para o comitê financeiro do PSDB no dia 15 de outubro. A situação se torna ainda mais interessante quando se constata que este mesmo empresário, durante o período de campanha eleitoral doou, no dia 21 de setembro, cerca de R$ 500 mil para o comitê financeiro do PMDB.

PMDB

Ainda segundo as planilhas dispostas no site do tribunal, o comitê financeiro do PMDB, partido do governador Carlos Gaguim, foi a legenda que mais teve arrecadações para a eleição deste ano. De acordo com o TSE, o partido do governador arrecadou um total de mais de R$ 15,9 milhões durante o período eleitoral.

Deste total, chamou a atenção o fato de que o PMDB, após passada data do pleito, conseguiu arrecadações que atingiram pouco mais de R$ 1 milhão. Para se chegar a este valor, foram levadas em consideração todas as doações recebidas pelo partido depois do dia 3 de outubro.

Na maioria dos casos, os donativos feitos ao comitê financeiro do PMDB partiram de pessoas físicas e de valores consideradamente baixos, que não superaram a marca dos R$ 7 mil individuais.

O comitê do candidato à reeleição também teve doações de empresas e em maior valor, apesar de serem menos frequentes. Entre os valores recebidos de pessoas jurídicas estão doações que chegam a R$ 300 mil.