Polí­tica

Foto: Divulgação

Em entrevista concedida antes do início da sessão ordinária a tarde desta segunda-feira, 10, o deputado estadual, Raimundo Palito (PP) informou que sua decisão de compor com a base do governo de Siqueira Campos (PSDB) foi pessoal e não engloba necessariamente um posicionamento oficial do partido.

Segundo Palito, no entanto, ele pretende despender total esforço para que o presidente regional do PP, o deputado federal Lázaro Botelho, acompanhe sua decisão e componha aliança com o governo. “O que eu puder fazer, para que o partido venha junto comigo, eu farei”, informou.

O deputado destacou, contudo, que ainda não iniciou nenhum tipo de conversa com o presidente do partido neste sentido. De acordo com Palito, a única conversa que teve com Lázaro Botelho foi para que ele pudesse tomar sua decisão pessoal. “Ele não se posicionou ainda com relação a isso (mudança do PP), somente aceitou minha ida para a base do governo”, informou.

Entenda

O deputado Raimundo Palito, desde que Carlos Gaguim (PMDB) foi alçado ao cargo de governador do Tocantins após a cassação do então governante, Marcelo Miranda (PMDB), em setembro de 2009, assumiu posição ao lado da base do então governo do Estado.

Esta posição do deputado se manteve ainda durante a campanha eleitoral, quando ele foi um dos principais responsáveis pela ida do PP para a base do governador que tentava reeleição, lançando o nome de Valderez Castelo Branco a vice de Gaguim.

Já em janeiro de 2011, Raimundo Palito, em decisão unilateral e apoiado pelo seu partido, rompeu com os aliados de Gaguim que agora compõem oposição para assumir posicionamento ao lado dos deputados aliados a Siqueira Campos na AL.