Polí­cia

Foto: Rogério Ribeiro

Visivelmente emocionadas e abaladas, dona Terezinha Moraes, 75 anos - mãe de Everaldo Moraes de Araújo, trabalhador morto a tiros durante ação da Polícia Militar - e a noiva da vitima, Mara Rúbia, juntamente com outros familiares, foram até o local do crime onde o trabalhador foi alvejado.

Mara Rúbia ao lado dos familiares do noivo refez os últimos passos do casal daquela noite, primeiro Rúbia mostrou o local exato onde tudo aconteceu, a mancha de sangue ainda está no local.

Relato do crime

Mara Rúbia relatou para a família da vitima com requinte de detalhes os últimos minutos que passou ao lado do noivo. “Não tinha a necessidade de tantos tiros, a viatura da PM entrou no estacionamento, sem a sirene ligada e efetuando disparos, naquele momento os bandidos já tinham passado desesperadamente por nós numa moto e subido na calçada entrando na rua, ali à direita” conta Rúbia.

A rua que Rúbia cita é a que fica ao lado da agência do Banco do Brasil destinada a pedestres pelo Plano Diretor da capital.

Cápsulas de pistola

A família da vitima tentando entender o que levou seu ente querido ter sofrido dois disparos de arma de fogo, ao lado de Mara Rúbia, realizaram uma minuciosa busca na tentativa de alguma evidência no local, olhando as paredes dos comércios vizinhos onde ocorreu o crime. Numa distância de 50 a 70 metros a família encontrou três cápsulas de pistola ponto 40, que podem ter tirado a vida do trabalhador Everaldo Moraes de Araújo.

Não havia marcas de outros disparos ou cápsulas deflagradas de outro tipo de arma. Há indícios que a outra marca de tiro encontrada na parede da loja Autor Center Reformadora Verona, ao lado da pizzaria, também seja do mesmo calibre da arma que matou a vitima.

Entrega de cápsulas

O jornalista, Rogério Ribeiro acompanhou a família e pode presenciar todos os fatos. Ribeiro fez uma ligação para o 197 (plantão de polícia), onde relatou o acontecido e foi orientado à ligar para o IML e localizar a perícia.

Um outro contato via telefone foi feito para o perito Juliano, que orientou que as cápsulas fossem entregues na delegacia. Juliano por telefone falou também com a noiva da vítima, onde passou as mesmas orientações, “neste momento não podemos fazer uma nova perícia no local, ela pode descaracterizar, entendemos a aflição dos familiares da vitima”, disse Juliano por telefone à Ribeiro.

As três cápsulas foram colocadas dentro de um saco plástico.

Reação da mãe da vitima

Extremamente abalada, dona Terezinha Moraes, a mãe da vitima, segurou as cápsulas e não conseguiasequer externar a dor pela morte do filho, olhando para as cápsulas, que supostamente teriam atingido seu filho. “Até quando iremos aguentar tanta barbaridade? Queremos justiça”, disse com uma voz cansada.

Família entrega as cápsulas

No 1º DP, o delegado plantonista, Sandro Dias, aguardava os familiares. A noiva da vítima foi ouvida e um termo de entrega das três cápsulas ponto 40 foi feito pela autoridade policial.

Numa conversa com o jornalista Rogério Ribeiro, o delegado Sandro Dias, confirmou que as três cápsulas encontradas pela família da vitima, realmente é de pistola ponto 40. “Vamos fazer um memorando com o termo de entrega das cápsulas recolhidas no local do crime pelos familiares para ser periciado” disse Dias.

Apesar da noiva não ter ficado com uma cópia do termo, o delegado também informou que os procedimentos não são sigilosos. Após a conclusão do laudo, as cápsulas de balas encontradas no local onde a vítima foi alvejada vão confirmar se teriam partido das armas dos policiais.

As imagens captadas pelas câmeras de segurança externa da agência do Banco do Brasil também poderão ajudar nas investigações.

A versão da PM

Quanto ao incidente ocorrido na noite de sexta-feira, 1º de abril, a Polícia Militar informa que após um assalto na região sul de Palmas, a viatura foi acionada e no local os policiais constataram que os assaltantes estavam em duas motos e armados.

Os mesmos empreenderam fuga em sentidos opostos, uma moto foi para a região norte e a outra para a região sul. Na perseguição segundo a PM, houve troca de tiros, o que vitimou Everaldo Morais de Araújo.

A PM Informou ainda através da assessoria de comunicação que o Comando já tomou todas as medidas para apurar o fato e que não se pode afirmar a origem do disparo, sendo aguardado o resultado do laudo pericial. Quanto aos assaltantes, todos já foram presos e encaminhados à Casa de Prisão Provisória de Palmas depois de passarem pelo 1º DP para os procedimentos de praxe.