Cultura

Foto: Divulgação

O grupo de comediantes que integra a Companhia do Humor-TO apresenta em Palmas, no dia 28 de abril, o espetáculo de estréia “Vivos... Mas nem tanto!”.

A apresentação será realizada no Theatro Fernanda Montenegro e é parte do Projeto 5ª Cultural, criado e patrocinado pelo Banco da Amazônia, e com parceria da Fundação Cultural de Palmas. O espetáculo “Vivos... Mas nem tanto!”, é uma comédia despretensiosa; além de querer divertir a sua platéia e os próprios comediantes, possui como temática a “morte” conduzida então como um fio narrativo para o humor. Propõe-se ainda a enterrar o mau humor e a fadiga do trabalho através de textos variados e sem uma preocupação cronológica, porém, com muitos referenciais comuns a todos.

A Companhia do Humor-TO constitui-se de um grupo de comediantes que se formou a partir de uma oficina de humor produzida em Palmas pelo produtor cultural Caio Brettas, grupo Morro do Riso de São Paulo. A trupe é composta por atores universitários, atores psicólogos, atores palhaços, atores eclesiásticos e “atores-atores” que tem o intuito de estudar as bases do humor, produzindo espetáculos de comédia que tratem de temas corriqueiros, abordando também as neuroses da vida moderna.

O grupo defende que não há limites para a atuação da comédia, e com este princípio, a Cia do Humor-TO, em sua primeira montagem, argumenta o comportamento das pessoas em relação á morte, suas percepções: antes, durante ou depois da morte.

A morte possui uma base trágica e nostálgica? Ou o humor pode transitar no comportamento dos indivíduos até mesmo nesta situação? Essas e outras reflexões são lançadas ao público em “Vivos... Mas nem tanto!”. Com uma proposta experimental, o espetáculo “Vivos... Mas nem tanto!” utiliza uma gama de formatos, o teatro físico, o consagrado stand-up comedy, o clown, esquetes e outros meios marcados pela improvisação. Assim, pretende demonstrar que, mesmo nas situações mais adversas, a comédia e o humor surgem como uma resposta ao cotidiano caótico que a vida contemporânea impõe.

A direção é de Nival Correia, produtor cultural, ator da Cia Chama Viva, diretor de cultura da Central Única das Favelas do Tocantins e, antes de tudo, um articulador cultural. Correia atuou em projetos como os filmes “Xingu” de Direção de Cao Hamburger e produção de Fernando Meireles (inédito) e “Tempos Difíceis” direção de Caio Brettas. Conta com mais de 16 anos de experiência teatral, é também presidente do Instituto Social do Tocantins - ISTO.

A entrada será de apenas 2 kg de alimento não perecível, pois conforme acima mencionado, o espetáculo é parte do projeto 5ª Cultural, e este último é comprometido com as causas sociais, buscando valorizar e promover a cultura regional, oportunizando a fruição dos bens culturais à toda sociedade.

Direção: Nival Correia
Produção Executiva: Caio Brettas
Assessoria de Imprensa: Monise Busquets
Maquiagem e figurino: Taty Dias
Iluminação: Francisco Lustosa

Atores

Abrão de Sousa
Ancelmo Martins
Bruna Fernandes
Bruno Barros
Glauziene Lino
Ilana Sales
Iva de Oliveira
João Welson
Leonardo Peris
Mírian Moraes
Nival Correia
Paulo Vieira
Roseli Bitzcof
Tchely Paixão
Tiago Veloso

Fonte: Assessoria de imprensa