Polí­tica

Em entrevista concedida após a suspensão da reunião do Diretório do PT neste sábado, o presidente regional do PT, Donizeti Nogueira confirmou a expulsão do prefeito de Palmas, Raul Filho do partido. De acordo com ele, dos 35 presentes na reunião, 29 foram a favor da exclusão do prefeito dos quadros da legenda.

Donizeti ainda frisou que a decisão foi tomada com base no artigo 13 do regimento interno do partido, que, segundo ele, foi o principal ponto que levou à expulsão de Raul. “Foi aonde ele desrespeitou as obrigações com o PT”, disse.

O presidente do Partido dos Trabalhadores ainda informou que o artigo 213 do mesmo regimento ainda deu o respaldo necessário para a retirada de Raul dos quadros petistas no Tocantins. “Ele (Raul) foi por esta instância expulso do partido”, completou.

Donizeti ressaltou, no entanto que o prefeito tem cerca de 10 dias regimentais para recorrer da decisão do diretório regional. Caso ele decida apelar ao diretório nacional, sua expulsão fica suspensa até que o caso seja completamente julgado.

A assessoria do PT informou, ainda que depois da expulsão de Raul, cabe ao partido realizar os trâmites para que tudo ocorra dentro da lei. Segundo a assessoria, agora o procedimento é notificar Raul e aguardar o prazo para apelação.

José Santana

Se mostrando bastante abatido, o prefeito de Colinas do Tocantins, José Santana Neto, informou ao Conexão Tocantins que a expulsão de Raul foi justificada. De acordo com ele, o prefeito de Palmas deixava de participar de reuniões e compromissos decisórios do partido, deixando para, de acordo com Santana, “tomar as decisões por conta própria”.

José Santana, que é irmão da deputada estadual Amália Santana, é um dos principais articuladores políticos do PT no Tocantins e informou que já havia tentado uma reaproximação com Raul Filho, mas que o prefeito, mesmo depois das iniciativas do partido, não arredou das críticas. “Nós estivemos reunidos com ele, depois das discussões, ele falou o que tinha para falar, eu falei o que tinha para falar e parecia que estava tudo bem, mas pouco tempo depois ele voltou a criticar o partido. Não houve exclusão por parte do PT”, completou.

Santana, para citar a tentativa frustrada de reaproximação com Raul informou que já havia solicitado uma visita do prefeito à Executiva Nacional do PT. “É triste. Passamos sete anos preparando este cara, para culminar nisso”, completou.

Reunião suspensa

A reunião do diretório estadual do PT foi suspensa por 30 minutos para que os participantes almoçassem. Logo após o retorno, serão julgados os dois processos contra a deputada estadual Solange Duailibe.