Estado

Foto: Arquivo Painel Florestal Segundo Eduardo Siqueira, governo trabalha com critério para negociar as dívidas deixadas pelo governo anterior Segundo Eduardo Siqueira, governo trabalha com critério para negociar as dívidas deixadas pelo governo anterior

O governo atual do Tocantins pagou R$ 20.325.097 milhões de dívidas do governo passado conforme informou a Secretaria Estadual da Fazenda ao Conexão Tocantins na manhã desta segunda-feira, 9.

O secretário da pasta, Sandro Rogério Ferreira considerou no entanto que ainda faltam muitas dívidas. A pasta que teve mais pagamentos foi a Secretaria Estadual da Educação.

Tiveram prioridade no pagamento fornecedores dos serviços essenciais. Foram efetuados ainda pagamentos relativos ao Proeducar, serviços contratados para o Detran, na Ciência e Tecnologia e contratos feitos na Secretaria Estadual da Comunicação.

“Ainda falta muito. Cada secretário faz um levantamento da sua pasta, fala o que é prioridade para ser pago, o governador autoriza e a secretaria da Fazenda paga”, explicou o secretário.

Critérios

Segundo informou o secretário de Planejamento e Modernização da gestão Pública, Eduardo Siqueira Campos em entrevista ao Conexão Tocantins o governo trabalha com critério para negociar as dívidas deixadas pelo governo anterior. “estamos enfrentando a questão com critério”, frisou.

Na questão do funcionalismo o secretário salientou o impasse dos 25% que o governo negociou com os servidores. “Pagamos as prestações atrasadas e fizemos as negociações”, disse.

Outro ponto que o secretário relatou foi ainda com relação ao aluguel de veículos para a Polícia Militar. “Como é um serviço considerado essencial fizemos revisão no contrato e identificamos que tínhamos condições de ter um preço melhor”, disse.

Conforme afirmou o secretário, foi assinado um termo onde consta desconto de 30% nos débitos anteriores e 10% nos valores referentes aos meses atuais.

Outros serviços estão sendo resolvidos de maneira econômica para o Estado, conforme frisou o secretário. “O Plausaúde por exemplo ficou mais econômico para o Estado”, disse.

Nestes meses iniciais de governo o foco com relação às dívidas tem sido a renegociação dos contratos de serviço. Até o sistema de telefonia das secretarias, segundo Eduardo, estava atrasado por quase um ano.

Ambulâncias

Mas alguns serviços deixados pelo governo anterior ainda estão em fase de negociação como é o caso das 70 ambulâncias adquiridas para os municípios e que ainda não foram pagas. “Como as ambulâncias não são um serviço continuado resolvemos não realizar o pagamento e entrar em entendimento”, salientou.