Polí­cia

Foto: Divulgação Em 2010, 34 pessoas foram assassinadas em disputas agrárias Em 2010, 34 pessoas foram assassinadas em disputas agrárias

Em outubro de 2010, o trabalhador sem terra, Gabriel Vicente de Sousa Filho, de 46 anos, foi assassinado no acampamento Bom Jesus, na Fazenda Recreio, localizada na cidade de Palmeirante. Na época, três pessoas foram indicadas pela polícia como suspeitos de executar o crime.

Dos três suspeitos iniciais, os trabalhadores Milton Barbosa da Silva (Miltinho) e Wanderlei Silva dos Santos (Chicão) tiveram mandado de prisão preventiva executado pela Polícia. Passado o prazo de 20 dias para as averiguações, e recolhimento dos depoimentos, os dois foram libertados e inocentados das acusações, segundo informou a Secretaria Estadual de Segurança Pública, através de sua assessoria de comunicação.

No entanto, ao contrário do que havia sido informado ao Conexão Tocantins no último dia 5, o dono da fazenda onde Gabriel foi assassinado, Paulo de Freitas, não chegou a ser preso em momento algum, como mandante do homicídio. Informação que foi corrigida na manhã desta segunda-feira. Segundo a SSP, Freitas, antes de ter seu mandado de prisão expedido pelo juiz da comarca, se apresentou voluntariamente à delegacia para contar sua versão do caso. Na ocasião, ele foi liberado e teve seu mandado de prisão revogado.

Contudo depois de uma reviravolta no caso, as investigações apontaram no sentido de que o único a participar da ação contra o sem terra foi mesmo o dono da fazenda Recreio. De acordo com a SSP, Paulo de Freitas teria disparado contra Gabriel e, posteriormente, orientado os dois outros trabalhadores a fugir, para confundir a polícia.

As informações atuais dão conta de que falta apenas uma testemunha para ser ouvida pelo delegado Emerson Francisco de Moura, da delegacia da cidade de Filadélfia, para que as investigações encerrem e a prisão de Paulo seja feita. A expectativa é que tudo termine dentro de 15 dias, segundo a SSP.