Palmas

A reunião pública sobre a proposta do Plano Diretor de Palmas realizada na noite desta quarta-feira, 16, na Câmara de Palmas, foi agitada com manifestação popular contra a expansão do Plano durante a fala dos vereadores.

O secretário de Serviços Públicos e Meio Ambiente, vereador licenciado, José Hermes Damaso (PR) chamou atenção para que a decisão venha depois do debate com todos os setores da comunidade. “Se começarmos a expandir essa cidade de maneira indiscriminada nós vamos estar cometendo um erro”, considerou, sem deixar claro sua posição sobre o assunto.

Depois da fala de todos os vereadores que demorou mais de uma hora foi aberta a fala para os populares que se inscreveram para opinar sobre o assunto. Neste momento começou uma confusão que resultou na saída de manifestantes contra a expansão do Plano Diretor, inclusive do reitor Alan Barbiero e Eduardo Manzano, também contrários. Os dois esperavam desde o início para ponderar sobre o assunto e responder às contundentes críticas recebidas dos vereadores durante a primeira parte da reunião.

Barbiero é contra a expansão do Plano Diretor e foi criticado por muitos vereadores que se pronunciaram. Aliados de Barbiero, professores e alunos, relataram ao Conexão Tocantins que o acordado foi para que o reitor tivesse fala após os vereadores o que não aconteceu.

Em entrevista ao Conexão Tocantins, Eduardo Manzano que também foi criticado por vários vereadores e é contra a proposta da Casa de Leis afirmou que os vereadores estão usando um discurso social para esconder a verdadeira intenção da expansão que seria segundo ele, beneficiar os proprietários e o setor imobiliário.

Manzano respondeu ainda às críticas do vereador Milton Neris (PR) que disse que ele falhou enquanto esteve à frente da Secretaria Municipal de Habitação no governo de Raul Filho. “Ele participou também do governo e sabe que eu não tinha poder de resolver todos os problemas. Nós fizemos mais de 4 mil casas na minha gestão e acabamos com 20 favelas que abrigavam 600 famílias”, explicou o ex-secretário. “A intenção deles é aumentar para especular”, completou. Para Manzano os vereadores deveriam parar de complicar e sim trabalhar pelo crescimento e ordenamento de Palmas.

Pronunciamentos

Foram inscritos mais de 60 oradores para expor suas opiniões. Iramar Cardoso da Silva representando o Movimento Nacional de Luta Pela Moradia foi o primeiro a falar. “Temos uma posição muito clara. Acho que existe um equívoco e uma situação de simplificar o debate de estar ou não a favor e estar ou não contra a expansão da cidade. Consegui perceber claramente que temos debate técnico e um debate político. Eu gostaria que o debate da população e social fosse levado em conta”, disse.

O ativista pediu que, quem não tem casa tenha mais atenção do poder público. “Nós que somos sem teto que sofremos essa situação sabemos o quanto é importante esse debate”, frisou.

Valter Borges que tem interesse na expanão e diz ter participado de outras discussões quando foi aprovado Plano Diretor, pontuou que é preciso expandir. Já Rosemar Ribeiro Fernandes, presidente da Associação do Setor Irmã Dulce reivindicou a falta de regularização do bairro. “Muita gente vê o jogo de empurra-empurra aqui”, disse.