Estado

Foto: Divulgação

Apesar de 2011 estar sendo um ano de dificuldades, porém, de enfrentamentos quando, inicialmente, os esforços do governo foram concentrados em ajustes, recuperação e equilíbrio das contas, com a aproximação do Natal e Ano-novo, surge a oportunidade de finalizá-lo com ações que evoquem os sentidos de solidariedade e amor ao próximo, conceitos básicos do espírito natalino.

Diante disso, o Governador Siqueira Campos recomendou aos secretários e presidentes de autarquias e demais repartições que, neste final do ano, evitem as tradicionais festas de confraternização e promovam ações solidárias em benefício da população mais carente. Ele sugeriu “a união de todos os bravos e lutadores servidores públicos do Tocantins em torno de iniciativas dedicadas aos irmãos atendidos por entidades filantrópicas, creches, asilos e instituições que cuidam de enfermos”.

A mensagem do governador foi enviada ao secretário do Planejamento e Modernização da Gestão Pública, Eduardo Siqueira Campos. “Trabalhamos muito este ano com muitas dificuldades e sabemos que fizemos, mas temos muito ainda o que fazer. Creio que todos nós, unidos, poderemos neste final de ano dar alento aos nossos irmãos mais necessitados. Muitos de nossos valorosos servidores já desenvolvem ações sociais, mas permitam-me meus amigos e companheiros, vamos, juntando forças, fazer um Natal mais feliz para quem também muito precisa”, se manifestou o governador, do Japão, de onde cumpre missão oficial.

O secretário do Planejamento, que recebeu a incumbência do governador de transmitir a orientação aos demais membros da equipe, lembrou que o mais importante nessa época é o espírito solidário. “O fundamental é celebrarmos o espírito de solidariedade, compaixão e amor ao próximo”, disse. Segundo ele, o governador exemplificou ainda algumas iniciativas que podem ser feitas como a coleta de mantimentos, visitas a entidades e realização de eventos beneficentes em prol de comunidades carentes. “Há várias possibilidades para se fazer o bem. Essas são algumas delas, mas cada um pode doar seu tempo, seu talento e disposição em benefício do próximo”, disse. Eduardo Siqueira Campos lembrou ainda que ideia semelhante foi defendida recentemente por servidores do Planejamento, que manifestaram o desejo de trocar uma festa tradicional por uma atitude que possa beneficiar o mais necessitado. (Ascom Seplan)