Campo

Foto: Juliano Ribeiro

O Tocantins inicia neste mês de janeiro a colheita de abacaxi da safra 2010/2012 e o trabalho segue até maio. O plantio foi realizado entre outubro e dezembro de 2010. A estimativa de receita é de mais de R$ 60 milhões. O Estado do Tocantins é o sétimo produtor nacional de abacaxi, da variedade pérola, com uma área aproximada de três mil hectares cultivados. As plantações dividem-se em todas as regiões, mas a maior concentração fica na Região Central, nos municípios de Miracema do Tocantins, Miranorte e Rio dos Bois. A produtividade é de aproximadamente 18 mil frutos por hectare.

De acordo com o coordenador de Desenvolvimento Vegetal da Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário, o engenheiro agrônomo José Américo Rocha Vasconcelos, o Tocantins que chegou a ser o primeiro em produção vem perdendo mercado nos últimos cinco anos. “Houve um decréscimo da área plantada em torno de 65%. A queda é devido ao crescente aumento do custo da produção e a elevada redução da área colhida devido a problemas fitossanitários”, explica.

Apesar da redução na produção, o engenheiro adianta que novas expectativas têm animado os produtores. “O Governo do Estado, preocupado com a situação, está procurando sanar os problemas sanitários através de parceria com a Embrapa – Centro Nacional de Pesquisa de Mandioca e Fruticultura, Mapa - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e UFT – Universidade Federal do Tocantins. Além de capacitação de produtores e técnicos, tem desenvolvido novas técnicas de plantio, como a produção integrada do abacaxi, que dá sustentabilidade econômica, social e ambiental, proporcionando aos produtores maior lucratividade”, frisou.

Segundo o secretário da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário, Jaime Café, o Governo do Estado reconhece a importância econômica do abacaxi que já chegou a responder pelo segundo lugar no PIB – Produto Interno Bruto - do agronegócio do Tocantins. “A abacaxicultura traz vários benefícios, entre eles a geração de emprego e renda, por isso o Tocantins é um dos maiores produtores do País e se destaca internacionalmente pela qualidade de seus frutos”, pontua o secretário.
Perspectivas

A produção de abacaxi no estado do Tocantins abrange grandes produtores com mais de um milhão de mudas plantadas bem como pequenos produtores, com menos de cem mil. Marcelo Galati é produtor na região de Porto Nacional, onde cultiva 60 há irrigados, com previsão de colheita de 900 mil frutos. “A perspectiva é melhorar esses números nos próximos anos. Estamos confiantes na mudança de cenário. O que dificulta é o custo de produção, especialmente de mão-de-obra, atualmente um hectare tem um custo entre 10 a 15 mil reais”, afirma.

O produtor e pesquisador na área desde 1986, o engenheiro agrônomo Washington Dias, é um dos pioneiros da cultura no Tocantins. Ele também participa de congressos e seminários técnicos no Brasil e no Exterior e afirma que o Tocantins precisa retomar o patamar de maior produtor do abacaxi, principalmente porque possui as condições ideais para o cultivo da fruta, como clima e água abundante para irrigação. Dias lembra que o abacaxi tocantinense possui mercado garantido, principalmente nos meses de janeiro e fevereiro, período de entressafra. “Nestes meses estamos colhendo as frutas, enquanto o restante do País atravessa a entressafra. Isto nos garante um melhor preço por fruta. Atualmente, toda a produção do Estado é comercializada na região Centro Sul do País”, frisa. (Ascom Seagro)