Estado

Foto: Divulgação

Em sessão solene, nesta última terça-feira, 7, no auditório do Tribunal de Contas da União, em Brasília, o conselheiro Severiano Costandrade foi reconduzido à presidência do Instituto Rui Barbosa (IRB) para o biênio 2012/2013. Na ocasião, o conselheiro corregedor Manoel Pires dos Santos assumiu a presidência do conselho fiscal da instituição.

Em seu pronunciamento, o presidente Severiano reassumiu o compromisso de “aperfeiçoar ações para desenvolver as atividades de fiscalização da melhor forma possível”. O conselheiro garantiu, ainda, entusiasmo para o próximo biênio. “Vamos somar forças para um ideal que é de todos: o fortalecimento e aperfeiçoamento do controle externo brasileiro”. Costandrade enfatizou, também, a urgência da criação do Conselho Nacional dos Tribunais de Contas (CNTC).

No evento, o presidente do Tribunal de Contas do Mato Grosso, Antônio Joaquim, assumiu a direção da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas – Atricon.

A solenidade reuniu diversas autoridades do Tocantins e nacionais. Entre elas, o ministro presidente do TCU Benjamin Zmyler, ministros do Supremo Tribunal Federal, Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça, Gilmar Mendes, governador do Mato Grosso, Sinval da Cunha Barbosa, o ministro Augusto Nardes e o conselheiro do TCE de Santa Catarina Salomão Ribas Junior, então presidente da Atricon.

Do Tocantins, participaram o vice-governador do Estado, João Oliveira, o senador Vicentinho Alves, o secretário-chefe da Controladoria Geral do Estado, Eldon Manoel Barbosa Carvalho, o presidente da Associação Tocantinense de Municípios, Manoel Silvino, os conselheiros, José Wagner Praxedes, Doris de Miranda Coutinho e Leide Maria Dias Mota Amaral, além do procurador geral de Contas do TCE, Oziel Pereira dos Santos e do auditor Márcio Aluízio Moreira Gomes.

IRB

É uma associação civil de estudos e pesquisas responsável por realizar capacitações, seminários, encontros e debates. O objetivo da instituição é aprimorar as atividades exercidas nos Tribunais de Contas do país. Também cabe ao Instituto investigar a organização e os métodos e procedimentos de controles externo e interno, para promover o desenvolvimento e o aperfeiçoamento dos serviços dos Tribunais de Contas do Brasil. (Ascom TCE-TO)