Cursos & Concursos

Foto: Divulgação

Foram abertos na manhã desta segunda-feira, 27, na Secretaria Estadual do Planejamento, s envelopes com a documentação das empresas que participam do processo licitatório para a realização do concurso do Quadro Geral do Estado. Ao todo, cinco empresas se inscreveram para o certame e uma foi desabilitada.

As empresas inscritas na licitação do Quadro Geral foram a Assessoria em Organização em Concursos Públicos, de Maringá / PR; Consultoria e Planejamento em Empresas Públicas (Consulplan) de Muriaé / MG; Faculdade Integrada Brasil Amazônia (Fibra), de Belém / PA; Instituto Ludus, de Teresina / PI e Instituto Dados e Imagem, de Goiânia / GO.

Destas, quatro foram consideradas habilitadas para organizar o concurso. A Fibra foi a única instituição considerada inapta por não apresentar a comprovação de Liquidez Geral. A Faculdade possui, a partir de hoje, um prazo de cinco dias para apresentar recurso oficial na Comissão de Licitações, sendo mais cinco dias para a análise por parte da comissão licitatória.

Em entrevista concedida ao Conexão Tocantins, o presidente do Sisepe (Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais), Cleiton Pinheiro, mostrou preocupação com os prazos do governo. Conforme o edital, esta primeira fase de avaliação das empresas deve terminar até o dia 3 de março. Contudo, pelo período de apresentação e analise dos recursos, este período pode se estender. “Nós queremos saber do governo qual é o prazo final para que esta empresa seja conhecida. O prazo é dia 3 e hoje já é dia 27”, disse.

Já o secretário estadual da Comunicação, Arrhenius Naves, escolhido pelo governo para responder pela comissão licitatória, informou que, mesmo com a apresentação dos recurso e contrarrecursos, os prazos devem ser cumpridos. “Nós não trabalhamos com a possibilidade de atrasos. Esperamos que tudo transcorra dentro da normalidade e a empresa seja definida o mais rápido possível”, salientou.

Contudo, mesmo com o otimismo do governo, o próprio secretário explicou que nas três fases do processo licitatório cabe recurso por parte das empresas e os 10 dias podem ser concedidos para análise da documentação e resposta da comissão de licitação. “Podemos chegar a até 30 dias para conhece a empresa. Mas não trabalhamos com esta possibilidade”, explicou.