Polí­cia

Depois das agressões sofridas na última quarta-feira, 16, em seu escritório, o advogado Paulo Sérgio Marques informou que pretende entrar com ações criminais e indenizatórias contra o empresário Celso Mourão, irmão do ex-prefeito de Porto Nacional, Paulo Mourão (PT), que, além de agredir ainda teria ameaçado o advogado de morte. Na ocasião, parte do dedo de Paulo Sérgio foi decepada por uma mordida de Mourão, segundo acusa Marques.

Ao contrário do informado pelo acusado das agressões ao site Roberta Tum, de que o dedo de Paulo Sérgio Marques havia sido ferido acidentalmente em algum móvel do escritório, Marques frisou que está de posse de laudo médico que atesta a origem da ferida. “Foi decepamento por mordida humana. Eu estou com o laudo do hospital que foi bastante claro”, disse.

O advogado informou, no entanto que, mesmo amedrontado com a situação, ele não pretende abrir mão das ações trabalhistas que move contra o filho de Mourão. Marques representa ex-funcionários da empresa do filho do empresário em seis ações trabalhistas. “Minha esposa está apavorada, meus pais também, mas isso não vai me intimidar. Eu vou continuar com as ações por que eu represento um grupo de trabalhadores”, disse.

A agressão e morte de advogados foi também uma preocupação do presidente da Associação Tocantinense dos Advogados, Gedeon Pitaluga que, em entrevista ao Conexão Tocantins frisou que a ATA dará total apoio ao advogado agredido na última semana. “Vamos acompanhar todos os processos, tanto o administrativo na OAB, quanto os criminais. Nós daremos total apoio ao doutor Paulo nesta situação”, disse.

Pitaluga frisou que os acontecimentos recentes contra advogados no Tocantins são preocupantes e medidas precisam ser tomadas. “Senão vamos voltar para o período de ditadura militar”, comparou.

Nesta segunda-feira também está sendo realizado o julgamento de Airton Gross, acusado de assassinar o ex-secretário da OAB, José Fortaleza Lopes.