Polí­tica

Foto: Humberto Lira

Na sessão da manhã desta quarta-feira, 4, na Assembleia Legislativa do Tocantins, o deputado José Bonifácio (PR) fez um pronunciamento contundente no qual cobrou posicionamento da bancada de oposição na Casa de Leis, principalmente por conta da grande miscigenação partidária promovida no Tocantins para as eleições municipais deste ano. O discurso do deputado, na ocasião, foi voltado principalmente para o PMDB que, depois de decisões polêmicas, acabou aliado a candidaturas governistas nas principais cidades do Estado.

Em sua fala, o deputado citava a todo o momento uma certa desesperança que foi gerada depois da coligação entre partidos da base do governo e da oposição a Siqueira Campos (PSDB) no momento pré-eleitoral. “Hoje eu vejo a Assembleia. Vejo o maior partido de oposição ou de situação neste Estado, à luz. Ninguém fala com ninguém. O que é o PMDB hoje? Tomara que exista algum descendente do Oscar Sardinha hoje. O que aconteceu com a honestidade, com o propósito da justiça, com o propósito da fiscalização?”, questionou, comentando sobre o ex-deputado Oscar Sardinha (então PFL), que escreveu um manifesto contra seu partido.

Fazendo um resgate histórico, do período em que o Tocantins foi governado por Moisés Avelino (PMDB), o deputado citou casos de compra de legendas para compor coligações em eleições estaduais e municipais. “Moisés Avelino comandava o governo do Estado, cooptou deputados estaduais, federais e resolveu tomar conta do PFL, que era a resistência. A voz da oposição está sendo calada ardilosamente, hoje, com inteligência”, atacou, sem citar diretamente o governo do Estado como autor da suposta compra do PMDB.

Mesa Diretora

Já puxando o discurso para a iminente eleição da Mesa Diretora da Casa, Bonifácio comentou sobre a sua candidatura homologada ainda na tarde de ontem. Na ocasião, o deputado, ainda sem fazer referência direta, comentou sobre o afastamento do governo com relação à Assembleia no processo eleitoral. “Quando eu vejo alguém que poderia ser a resistência ao encabrestamento me dizendo que 'eu fiz um compromisso'. Eu vejo a minha bancada assistir calada, angustiada, alguns desejando disputar qualquer cargo na mesa, sem ter o céu, o inferno ou o purgatório, sem ter um cristo ou um satanás para se informar”, completou.

O fato é que desde o mês passado, o governo vem tentando emplacar, nos bastidores, o deputado Sandoval Cardoso (PSD) como candidato à presidente da Casa, desagradando aliados históricos de Siqueira Campos na AL. Mesmo com esta suposta indicação governista, Bonifácio oficializou sua candidatura na tarde de ontem e a manteve nesta sessão de hoje. “Para ver se os colegas se predisponham a, pelo menos, discutir com os companheiros. Mas eu mantenho esta minha candidatura para dar oportunidade a 24 cabeças pensantes para ter pelo menos a oportunidade de resgatar a dignidade”, disse.

Ainda em tom de cobrança e de pedido de independência do Poder Legislativo, o deputado pediu que o parlamento se posicione contra o emparelhamento que vem sendo proposto tanto nas eleições municipais, quanto no pleito à Mesa Diretora da Casa de Leis. “Nós não podemos ficar em silêncio, nos amordaçando, dizendo apenas amem a qualquer que seja”, disse.

Josi Nunes

Em resposta a Bonifácio, a deputada Josi Nunes, uma das principais líderes do PMDB na AL, não contrariou o discurso de seu antecessor e se limitou a confirmar que o deputado do PR não é voz solitária nos questionamentos ao PMDB. “Quero parabenizar a fala do deputado. A indignação que deputado está manifestando na tribuna é a indignação que encontramos nas ruas”, disse.

Assim como informado ao Conexão Tocantins ainda na sessão de ontem, a deputada confirmou que pretende reunir a direção do PMDB ainda nesta semana para tentar sanar o que ela própria já havia chamado de crise interna. “O partido precisa ser ouvido e foi isso que eu solicitei ao deputado Junior Coimbra. Será que esta salada mista com ingredientes que outrora pareciam ser água e óleo, vai prestar?”, finalizou questionando.