Campo

Foto: Divulgação

A Secretaria Estadual da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário está confiante de que as medidas tomadas pelo Governo Federal irão amenizar a crise na suinocultura. A expectativa é que a criação de suínos registre um aumento ainda maior no Tocantins, que mesmo com a anormalidade no setor cresceu 9,9% nos cinco primeiros meses de 2012. O número de animais, de acordo com os dados da Adapec – Agência de Defesa Agropecuária, subiu de 246.871 em 2011, para 271.322, em maio de 2012.

Segundo o zootecnista da Seagro, Sílvio de Oliveira, alguns fatores agravaram a crise nacional: o aumento no preço do milho (que corresponde a 70% da alimentação) e também da soja, além da alta oferta de carne pelos megaempresários, deixando os preços de venda abaixo do custo de produção e prejudicando pequenos e médios criadores. “Um produtor gasta em média R$ 2,50 pelo quilo vivo do suíno. No mercado o preço do quilo é de R$ 1,80, gerando um prejuízo de R$ 0,70 por quilo”, explicou o zootecnista.

Agora com as medidas do Governo Federal, o cenário deve melhorar. “Estamos esperançosos de que os pontos negativos sejam minimizados cada dia mais, incentivando a cultura e gerando mais renda para o produtor no campo”, comentou o zootecnista, acrescentando que está em discussão também a fixação de um preço mínimo tabelado pelo preço do quilo do suíno.

Benefícios

O Governo Federal autorizou recentemente Linha Especial de Crédito para aquisição de leitões ao preço de R$ 3,60/kg, com taxas de juros de 5,5% ao ano. O financiamento pode ser acessado por produtores, agroindústrias, cooperativas e varejistas. Outra medida foi a prorrogação das dívidas de custeio para janeiro de 2013. No caso do crédito para investimento, as parcelas foram adiadas por um ano após o vencimento da última mensalidade. Além disso, foram liberadas linhas de crédito para retenção de matrizes por produtores independentes e para compradores de suíno vivo a R$ 2 quilo.

Tocantins

De 2010 para 2011, o Estado também aumentou o plantel de suínos em 6,17%, elevando de 232.511 para 246.871. A maior parte da criação de suínos tocantinense é de subsistência (criação de pequenos produtores), e abastece o mercado local. Os animais são abatidos em frigoríficos registrados no Serviço de Inspeção, seja ele Municipal, Estadual ou Federal, e autorizados para abate de bovinos e também de suínos. (Ascom Seagro)