Polí­tica

Foto: Divulgação

O candidato a prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP), pela coligação “Um novo caminho é possível”, disse que espera uma postura de imparcialidade da Justiça Eleitoral para que seja proibida a exibição do informe publicitário televiso do Governo Estadual sobre o IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

A peça publicitária ressalta a cor verde na arte, além da apresentadora usar camisa do mesmo tom e o fundo do estúdio ser similar à propaganda do candidato a prefeito de Palmas, Marcelo Lelis (PV), da coligação “É a vez do povo”, que recebe apoio do governo, configurando assim, o uso indevido da máquina pública na campanha do pevista.

Na tarde de ontem (26), o Juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins determinou que o vídeo do clipe “Um Um é 11”, uma das peças da campanha de Carlos Amastha, fosse retirado da página oficial do seu site (http://www.amastha11.com.br) pelo uso da cor verde, proibindo a veiculação do mesmo sob pena de crime de desobediência.

A decisão do juiz foi baseada na representação apresentada pela coligação “É a vez do povo”, que alegou o uso da cor verde no clipe de modo pejorativo, já que a cor é símbolo da coligação. “Espero que o juiz tenha a mesma postura diante deste informe do governo estadual que beneficia a cor do candidato pevista. Estamos atentos com o uso irregular da máquina pública na campanha. Vamos fiscalizar de perto tudo isso e esperamos que a justiça seja igual para todos”.

Amastha já acionou o corpo jurídico da sua campanha para recorrer da decisão da Justiça Eleitoral e espera uma ação democrática. “Respeitamos o judiciário e suas leis, mas até onde sei cores não tem dono”.  (Ascom Amastha)