Educação

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) aprovou mais um programa de Pós-Graduação stricto sensu para a UFT: o Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais. O programa, que será sediado no Campus de Gurupi foi aprovado com a nota 3.

O curso foi estruturado com uma área de concentração em Ciências Florestais e Ambientais e duas linhas de pesquisa: “Conservação e gestão de recursos naturais” e “Manejo, Silvicultura e tecnologia florestal”. “É muito importante para a Universidade, pois isso mostra que ela está cada vez mais excelente, buscando a competência, a excelência, dando oportunidade para os alunos que já estão na graduação continuarem seus estudos e depois seguirem suas carreiras acadêmicas ou profissionais.” diz o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Waldecy Rodrigues. 

Waldecy conta que o tema florestal é a “bola da vez” no Tocantins, e que o curso virá atender a uma demanda científica/acadêmica e também de formação de mão-de-obra qualificada.  “Aqui vai haver grandes empreendimentos na área florestal, como grandes industrias de papel e celulose. Então isso é um fator motivador, pois teremos mão de obra em alto nível, tanto para atuar na academia, como para atuar em indústrias no setor privado – e isso é importante não só para a Universidade, como também para o Estado do Tocantins, que terá capital humano de alta capacidade formado por nós” 

“O Mestrado virá para ser um incentivo para o crescimento acadêmico e cientifico, além de ser um centro para respostas, através da pesquisa, de muitos entraves dentro desta nova área que é a de produção florestal”, ressalta o diretor do Campus de Gurupi, professor Eduardo Lemus. “O curso de Engenharia Florestal formou a primeira turma recentemente, é novo. Agora nossos alunos, que tem a tendência a trabalhar com pesquisas, podem continuar seus estudos por lá mesmo.” 

Lemus ressalta que  a aprovação do curso é resultado de um processo de planejamento dentro do Câmpus. “Já temos três mestrados e um doutorado em Gurupi, onde existem quatro cursos presenciais.  Isso, para um Estado localizado na região norte, é importantíssimo para o desenvolvimento regional, pois vai oportunizar a vinda de equipamentos, projetos e recursos financeiros para a Instituição. (Dicom UFT)

Por: Redação

Tags: Capes, Mestrado, UFT, Waldecy Rodrigues