Estado

Foto: Divulgação

O Governo do Tocantins, através da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semades), recebeu na última sexta-feira, 19, representantes do complexo industrial Tobasa Bioindustrial de Babaçu S/A, que realizou um workshop da infraestrutura envolvida no processo de industrialização do coco babaçu. O objetivo da empresa foi contextualizar a análise do GT - Grupo de Trabalho composto por técnicos da Semades, Secretaria da Indústria e Comércio (SIC), Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário (Seagro) e Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) – que antecede a emissão de um parecer a respeito do pedido de implementação de um dispositivo de lei que possa flexibilizar o processo de produção. Na oportunidade, foi apresentado o alcance dos benefícios sociais, econômicos e agrícolas, além do compromisso da bioindústria com o meio ambiente.

O diretor presidente da Tobasa, Edmond Baruque Filho, falou da proposta da empresa. “Agente entrou com o pedido de um dispositivo de lei, que pudesse flexibilizar a produção a partir das diversas formas de industrialização do coco. Então o objetivo de nossa visita aqui hoje é contextualizar a equipe da Semades e demais órgãos presentes, para que possam verificar a importância do trabalho por nós desenvolvido e da solicitação de um dispositivo que possa flexibilizar a industrialização do babaçu a partir do processo de carboativação”, relatou Edmond.

Ainda de acordo com Edmond, a Tobasa faz o aproveitamento integral do fruto, desde a fibra, o mensocarpo, o endocarpo à amêndoa. Entre os benefícios sociais o presidente destacou a geração de serviços a 1500 colaboradores indiretos na área florestal, gerando 150 empregos diretos na parte industrial, ele afirmou que a empresa é um dos maiores arrecadadores de ICMS do Estado. “Fazemos circular riqueza no interior da floresta e beira rio, além de apoiarmos diversas ações sociais como no campo da educação fundamental, superior e benefícios aos funcionários com sessão de moradia, entre outros”, enfatizou Baruque.

Para o coordenador de Normas Ambientais e Procedimentos Integrados da Semades, Adriano Silva, o projeto reúne elementos importantes e o Grupo apenas iniciou os levantamentos necessários à emissão de um parecer. “A apresentação trouxe dados relevantes para a avaliação dos membros do GT, então concluímos que será apropriado realizarmos uma visita nos próximos dias, ao complexo industrial, bem como aos demais cenários envolvidos, para somente então iniciarmos a fase de elaboração do parecer”, informou o Coordenador.

A Tobasa Bioindustrial

Localizada no município de Tocantinópolis, região norte do Estado do Tocantins, a Tobasa é uma empresa que possui tecnologia própria e em escala industrial. Seu projeto constitui o único complexo energético do gênero existente no país, produzindo óleo, sabão de coco, farinhas amiláceas, álcool, subprodutos protéicos, carvão ecológico e carvão ativado. Dispõe de um complexo industrial implantado e de uma logística de processamento integrado para o aproveitamento integral do coco de babaçu, desde silos armazenadores de coco, máquinas, equipamentos mecânicos de descorticagem e de processamento de corte, até a distribuição mecanizada em suas fábricas. Seu potencial de produção é projetado para em três anos apresentar um crescimento sustentável e atingir 100% de sua capacidade operacional instalada. (Ascom Semades, com informações da página da Tobasa)