Palmas

Foto: Divulgação

O prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PP) se antecipou e pela página do Manifesto contra o monopólio do transporte coletivo em Palmas convidou os organizadores para formarem uma comissão e abrir diálogo sobre as demandas do protesto.“Peço para os organizadores formar uma comissão para poder discutir em conjunto como pretendemos avançar.Estou aberto a discussão e ao dialogo.Vamos resolver.E com a forca da juventude fica mais fácil”, postou na página no manifesto. O prefeito, que chegou a confirmar presença no evento através da rede social disse hoje que  não quer atrapalhar,nem polemizar com um movimento genuíno de protesto da juventude e que por isso não irá participar da passeata para não constranger ninguém.

 Em entrevista ao Conexão Tocantins no final da manhã de hoje o prefeito disse que apoia o manifesto. “ Isso vai exatamente de acordo com meu discurso e com o que estou fazendo”, afirmou. Ele admitiu que a empresa que administra o sistema está deixando a desejar com relação a vários pontos como renovação de frota e no serviço como um todo. “ O serviço como um todo está um desastre”, resumiu. O gestor conta que desde que assumiu tem buscado investimentos para o sistema e fez inclusive um amplo levantamento com os principais pontos que devem passar por mudanças para melhorar a vida de quem usa o transporte coletivo. Segundo ele, essa também é uma das principais preocupações da sua administração.

Com relação à quebra do monopólio através da abertura de concorrência para outras empresas o gestor também disse que concorda e é a favor da livre concorrência. “ O município tem a obrigação de ser indutor da melhoria do sistema”, disse.

A primeira reunião do Conselho de Trânsito e Transporte está marcada para o dia 25, conforme já antecipou o Conexão Tocantins. Os membros vão discutir projetos em vista e melhorias urgentes para o sistema bem como a nova proposta de reajuste apresentada pela empresa responsável. O prefeito já deixou claro que não autorizará reajuste sem melhorias implantadas.

Alguns ativistas e estudantes informaram ao Conexão Tocantins que o movimento é pacífico e pretende pedir melhorias no sistema. Segundo eles, não há ainda um organizador nomeado pelo movimento para falar sobre o manifesto. Enquanto isso os informes para a manifestação são feitos por uma rede social onde quase 4 mil pessaos já confirmaram presença no manifesto dia 20 às 18 horas na capital.

Os manifestantes sairão em direção à estação Apinajé (Praça dos Girassóis) com previsão de uma parada no local. Depois o trajeto será para a sede da Prefeitura de Palmas na Avenida Jk, ao lado do Banco do Brasil onde será feita a leitura de um Manifesto.

Os interessados em participar foram orientados a estar de camisas branca ou preta e com a bandeira de Brasil além de rostos pintados. Desde já a organização orientou os participantes a não agrediram verbalmente os policiais para evitar qualquer tipo de confronto.

Uma primeira reunião sobre o manifesto acontecerá amanhã na Universidade Federal do Tocantins onde devem ser fechados os últimos detalhes bem como a confecção de cartazes.O movimento é uma extensão de vários que vem acontecendo no país.