Polí­tica

Foto: Divulgação

A deputada federal Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO) participará nesta terça e quarta-feira (06 e 07), em Curitiba (PR), do Encontro Internacional de Educação – Salamundo. A parlamentar será a única representante do Tocantins e falará das experiências positivas de Educação no período em que atuou como secretária estadual da área, entre 2000 e 2009.

O Salamundo, que será aberto pela presidente Dilma Rousseff e o ministro da Educação Aloízio Mercadante, é o maior evento dirigido a gestores e educadores que acontece no Brasil. O encontro irá debater a melhoria da qualidade da educação dentro do universo da sala de aula. Participam do Salamundo gestores educacionais das áreas pública e privada, educadores e demais profissionais ligados à área.

Dentre os projetos trabalhados pela Seduc na gestão de Dorinha, a deputada citará o programa Escola Comunitária de Gestão Compartilhada, que descentralizava os recursos da Educação, transformando as escolas em unidades autônomas; o Planejamento Estratégico (PES) para a elaboração de um diagnóstico e identificar as principais prioridades, potencialidades e metas das escolas, das Diretorias Regionais de Ensino e da Seduc.

Também falará sobre a parceria com instituições para projetos de formação inicial e continuada de professores que, em oito anos, foi possível chegar ao patamar de 96% dos educadores com graduação superior; o processo seletivo de diretores de escolas, um provão estadual que analisava currículos e aplicava um teste para os melhores serem diretores. Esse projeto ganhou visibilidade nacional.

Por fim a instituição do Plano de Cargos, Carreiras e Subsídios (PCCS) dos trabalhadores em Educação, em 2006. Havia um enorme quadro de professores, muitos até com mestrado, que não tinha um plano de carreira. O PCCS contemplou de imediato mais de 10 mil servidores, tanto do quadro do Magistério como do Quadro Geral, que possuem planos de carreiras específicos e permitiu a progressão vertical de 4.153 professores na época. E, em termos salariais, os professores de Tocantins só perdem para os de Brasília.

“Esses projetos deram um impacto muito grande e positivo nas escolas. O Tocantins, que ocupava os piores lugares do ranking de avaliação da educação, melhorou drasticamente e passou à frente de todos os estados das regiões norte e nordeste”, disse Dorinha.

A deputada ressalta que as boas notas do Tocantins no IDEB hoje em dia são o reflexo de um trabalho iniciado lá atrás, com a implantação de novas parcerias e programas para melhorar a qualidade do ensino, quando foi perceptível notar que os projetos começaram a dar frutos e que são colhidos até hoje. “Isso mostra que a fórmula é simples, de compromisso com a educação baseada no planejamento, gestão, autonomia, formação continuada de professores, referências curriculares e avaliação. Independente da gestão é necessário estimular o educador e aluno, visando a qualidade da educação”, afirmou.