Estado

Foto: Divulgação Secretário e o presidente do Sindifiscal, Carlos Campos Secretário e o presidente do Sindifiscal, Carlos Campos

O governo estadual vai encaminhar uma emenda supressiva para a Assembleia Legislativa para retirar o governador do projeto de redução salarial apresentado na semana passada na Casa de leis. A emenda será apresentada pelo relator da matéria, deputado governista Amélio Cayres (PR). A decisão do governo foi tomada após mobilização de Sindicatos como o Sindifiscal e Sindicato dos Médicos.

A informação foi repassada pelo secretário estadual de Relações Institucionais, Eduardo Siqueira Campos ao Conexão Tocantins. Eduardo foi à Casa de Leis na manhã de hoje onde conversou com alguns deputados e também representantes de Sindicatos que era contra a redução salarial do governador. “Meu objetivo na Assembleia hoje foi levar a solução para este assunto e informar da exclusão do governador deste projeto de redução salarial”, informou. Durante visita á AL, o  secretário aproveitou para cumprimentar e dar boas vindas aos deputados estaduais.

 O secretário conta que a intenção do governo não foi prejudicar a evolução salarial de algumas carreiras e sim ordenar as despesas diminuindo o custo da máquina com cargos. “Com essa solução nenhuma categoria se sentirá prejudicada”, frisou. O projeto de lei que trata sobre redução dos salários do Governador em 25%, do Vice-Governador em 20% e dos secretários de Estado em 10%.

Em material divulgado pela Agência de Notícias do governo o secretário diz que a retirada visa atender as entidades de classe: “Consideramos razoável a retirada do item para que o mesmo não cause insegurança jurídica nas carreiras. A medida representa um esforço pessoal do Governador para contribuir com a redução de despesas, mas em atendimento à solicitação das entidades de classe, o governador achou por bem pedir a retirada”, disse o secretário. 

A argumentação das categorias é que com  o corte no salário do governador o teto máximo salarial para tais servidores também será diminuído porém a proposta apresentada por Carlão traz um artigo que especifica e mantém o teto máximo salarial dos servidores do Estado para cerca de R$ 24 mil.

Questionado se há possibilidade do governador manter o salário mas devolver aos cofres públicos o equivalente à redução dos 25% o secretário informou que tal decisão só poderá ser tomada por ele.

Com as propostas o salário do governador, passaria de R$ 24.117,00 18.087,75 para R$ 18 mil. Já o salário do   vice-governador  vai de R$ 19.113,00 para R$ 15.290,40. Já os  Secretários de Estado que recebem R$ 15.000,00 passarão a receber R$ 13.500,00. A remuneração de  secretário Extraordinário sairá de R$ 15.000,00 para R$  13.500,00.