Estado

Foto: Divulgação

Debates sobre os principais eixos potenciais para empreender e investir no Estado do Tocantins marcaram a programação desta quarta-feira, 02, durante o 1º Congresso da Indústria Tocantinense – CIT. A realização de 4 painéis temáticos apresentaram aos participantes as perspectivas e tendências nas diversas atividades econômicas.

Em formato de talk show, os painéis foram conduzidos pela jornalista especializada em política da Rede Record, Cristina Lemos, e abordaram os temas Sustentabilidade, Infraestrutura, Inovação, Investimento, além de um painel de abertura do evento com o presidente da Confederação Nacional da Indústria – CNI, Robson Andrade, o presidente do SEBRAE Nacional, Luiz Barreto e com o Ministro dos Transportes, César Borges.

Uma palestra sobre Logística e Transporte com o Ministro dos Transportes, César Borges, abriu a programação falando dos investimentos do Governo Federal realizados para a matriz de transportes, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC’s) de Hidrovia, Ferrovia e Rodovia.

“O Tocantins tem um posicionamento estratégico para investimentos e implantação de novas empresas. Nós estamos ampliando os investimentos em logística e transporte no estado com a duplicação da BR 153, a Ferrovia Norte Sul, com a Ferrovia de Integração Oeste Leste e com as hidrovias que irão interligar o escoamento da produção com os portos de exportação. Com esses investimentos, previsto para 2014, o Tocantins será ainda mais promissor para investimento”, pontuou o ministro.

Sustentabilidade

A proposta desse painel foi discutir potencialidades para o desenvolvimento do turismo como uma atividade econômica industrial sustentável que propicie geração de emprego, renda e inclusão social. O debate contou com a participação do secretário de Políticas de Turismo, Vinicius Lummertz, Fábio Rios Mota, do presidente da BUNGE, Pedro Parente, do especialista em agronegócio Marcos Jank e do ex-ministro de Planejamento, Orçamento e Gestão, Martus Tavares.

O secretário de Políticas de Turismo, Vinicius Lummertz, apontou o segmento como um dos fatores que contribuem com o desenvolvimento do Tocantins. “Temos que pensar o turismo também como um dos fatores para a economia, o diálogo entre indústria, agricultura turismo, bens e serviços é o caminho para avançarmos em sustentabilidade e desenvolvimento”.

Infraestrutura

Apontada como um dos fatores primordiais para o desenvolvimento, a Infraestrutura foi tema do talk show entre o chefe de gabinete do Sistema FIETO José Fernandes, a presidente da Confederação Nacional da Agricultura – CNA, senadora Kátia Abreu, do presidente da Empresa de Planejamento e Logística- EPL, Bernardo Figueiredo e do presidente da CNI, Robson Andrade.

O debate fomentou as discussões em torno das oportunidades e gargalos sobre a infraestrutura do Tocantins que possam afetar diretamente o desenvolvimento industrial. Além de instigar as discussões em prol das oportunidades de negócios que possam ser geradas em relação ao potencial de infraestrutura e de localização estratégica do Estado do Tocantins.

INOVAÇÃO

O tema inovação foi discutido pelo professor ex-ministro da Previdência Social, Roberto Brant, o diretor da CNI, Rafael Lucchesi e o gerente do SEBRAE Nacional, Enio Pinto. Abordado sobre os desafios da inovação brasileira, o professor e ex – ministro da Previdência Social, Roberto Brant, enfatizou o “olhar turvo” da indústria brasileira como principal impedimento para a inovação. Segundo ele, a saída para integrar o Brasil à cultura industrial da Nova Ordem Mundial é implantar políticas baseadas ao que se oferece em países desenvolvidos.

Rafael Lucchesi, diretor CNI, apontou como necessidade agregar valor à área de educação e agronegócio no Estado do Tocantins. Baseando – se em referências históricas, o diretor enfatizou que a educação está diretamente ligada à inovação, uma vez que é preciso dominar todos os processos produtivos. Em consenso, os convidados apontaram a educação básica e profissional como fator de impulso para a inovação. Destacaram ainda os potenciais tocantinenses na indústria de confecção/vestuário, construção civil e agronegócio e a necessidade de formar profissionais competentes e aptos a competir a nível nacional.

INVESTIMENTO

O painel reuniu o economista Cláudio Adilson Gonçalvez, o superintendente nacional da CAIXA, Samuel Crespi, e o gerente do SEBRAE Nacional, Bruno Quick para discutir as potencialidades e dificuldades do desenvolvimento de políticas públicas voltadas para a geração de um ambiente favorável ao desenvolvimento das empresas industriais do país.

Os convidados apontaram os aspectos da infraestrutura tocantinense favoráveis para a atração de investimentos como a situação geográfica estratégica e potencialidade hidrográfica em energia elétrica. Questionado sobre como a CAIXA pode investir no Tocantins, o superintendente do Banco afirmou que estes investimentos saem como capital de giro e que ainda há dificuldade em transformá – los em capital de investimento.

O economista, Claudio Gonçalvez, enfatizou que é uma realidade brasileira, mas que os empresários não podem deter – se em um único meio para alcançar recursos para os empreendimentos. Ainda neste debate, os convidados destacaram a necessidade de inovação para criar interesse dos investidores.

A programação do evento segue até a próxima sexta feira, 04, e pode ser acompanhada ao vivo pelo Portal: www.congressodaindustria-to.com.br/aovivo (Assessoria Fieto)