Estado

Foto: Divulgação

O secretário do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Alan Barbiero, recebeu na manhã desta quinta-feira, 05, um grupo de diretores da Agência Nacional de Águas – ANA.  A equipe apresentou um relatório que aponta o Tocantins como um dos quatro estados que mais avançaram na gestão de recursos hídricos na avaliação feita de 2006 a 2013. Com o bom desempenho, o Estado agora traça metas do Pacto Nacional pela Gestão das Águas – Progestão

Segundo Paulo Lopes Varella Neto, diretor da Área de Gestão da ANA, agora é um novo desafio de gestão que está sendo lançado no país. Segundo ele é preciso que o Governo Federal, estados e municípios caminhem juntos para que não haja uma dissociação na gestão dos recursos hídricos. “O Tocantins andou bem nos últimos anos, o grande desafio agora é traçar metas e avançar ainda mais. A água é um grande adutor do desenvolvimento. Viemos aqui para ser parceiros, estar mais próximos, mais presentes”, disse.

O diretor estadual de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos da Semades, Aldo Araújo de Azevedo, explicou que a pasta está organizada e estruturada institucionalmente. “Os instrumentos implantados e os novos desafios que estão sendo lançados demonstram que estamos no caminho certo quanto à gestão dos recursos hídricos no Tocantins”.

Barbiero ressaltou que o Tocantins vem se destacando na gestão dos recursos hídricos, mas isso não é motivo para se acomodar.  Segundo ele, agora é preciso traçar as metas do Progestão para os próximos cinco anos e continuar avançando. “Se estamos no caminho certo, precisamos construir novas metas, avançar ainda mais. Com essa parceria vamos consolidar nosso trabalho com a ANA e construir um caminho ainda mais produtivo no Estado”, concluiu.

Os diretores da ANA juntamente aos técnicos da Semades e do Naturatins estão reunidos desde quarta-feira, 04, para juntos  construírem um roteiro que determinará as metas a serem atingidas com o Pacto Nacional pela Gestão das Águas – Progestão. No programa serão investidos R$ 3,75 milhões para a gestão de recursos hídricos ao longo de cincos anos. As metas definidas serão levadas para debate e aprovação dentro do Conselho Estadual de Recursos Hídricos. (Ascom/Semades)