Campo

Foto: Divulgação

Com mais de quatro milhões de hectares disponíveis para irrigação, o Tocantins se destaca na produção de frutas como abacaxi, mamão, goiaba, banana, maracujá, melancia, coco e limão. Atualmente, seis projetos hidroagrícolas estão em andamento. O investimento realizado pelo governo do Estado em parceira com o governo federal, nesses locais, nos últimos 13 anos, ultrapassa os R$ 750 milhões.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Tocantins produziu no ano passado aproximadamente 175 mil toneladas de frutas, contra pouco mais de 40 mil toneladas que eram produzidas no início da década de 1990, conforme estimativa do setor de Desenvolvimento Vegetal da Secretaria de Estado da Agricultura e Pecuária (Seagro). 

Para o secretário da Agricultura e Pecuária, Jaime Café, o ano de 2013 foi de continuidade aos trabalhos iniciados nos governos anteriores de Siqueira Campos, quando foram idealizados os projetos de irrigação, e para 2014 se espera a consolidação desses perímetros irrigados. “Eles vão começar a produzir de fato, alcançando seus objetivos, que é gerar emprego e renda e melhorar a vida da população”, declara.  Café acrescenta que uma empresa de fabricação de polpa de tomate deve se instalar no São João até 2015, o que estimulará ainda mais o desenvolvimento produtivo no local.

Bom negócio

Com água disponível o ano todo, cultivar frutas virou atividade viável no Tocantins, como explica o produtor de mamão Cleusimar Alves de Sousa, do Polo de Fruticultura Irrigada São João, município de Porto Nacional, a 30 km de Palmas.

A área plantada de mamão na propriedade de Sousa não ultrapassa dois hectares, mas já tem sido suficiente para ver que a fruta tem mercado em Palmas.  Mais dois hectares devem ser plantados até o próximo ano. Ele cultiva as variedades papaia e formosa. O cuidado com a cultura começa desde cedo. “Trabalhamos a terra, adubamos e controlamos as pragas. Tenho a consciência de que não podemos passar muito inseticida para não prejudicar quem irá comer nosso produto e também a nós mesmos”, explica Sousa.

Ainda no São João, o produtor rural Adailton Antônio Lima trabalha com os cultivos de maracujá, goiaba e coco, além da produção de verduras. Contando com apoio da família na hora do trato das culturas, Lima não pensa em fazer outra coisa: “não ganhamos muito, porque ainda estamos começando a produzir, mas não me vejo em outra atividade, é isso que gosto de fazer: produzir alimentos”.

No Polo de Fruticultura Irrigada São João, onde mais de 96% da infraestrutura do sistema de irrigação está instalada, ao todo são cerca de cinco mil hectares, dos quais 3.500 são irrigáveis e 1.800 destinados à preservação ambiental. A água, que chega até os lotes pelos canais de irrigação, é utilizada pelos produtores para o cultivo de frutíferas e hortifrutigranjeiros. Só usados os sistemas de microaspersão e gotejamento.

Manuel Alves

Localizado na região Sudeste do Estado, a que mais sofre com a estiagem no Tocantins, o Projeto de Irrigação Manuel Alves, situado entre os municípios de Dianópolis e Porto Alegre do Tocantins, já muda também a realidade de centenas de famílias. A partir da disponibilidade de água, é possível cultivar uma variedade de espécies, especialmente frutas. Na propriedade de responsabilidade do agricultor Rodrigo Adamante, são 63 hectares de banana, produzindo até 45 toneladas da fruta. A previsão é chegar a 200 hectares de área plantada nos próximos anos. “Estou satisfeito com a produção e não pretendo parar”, conta. A propriedade gera 40 empregos diretos.

O Manuel Alves conta com 3.700 hectares, divididos em 199 lotes para pequenos produtores qualificados e outros 14 lotes empresariais. A água chega até os lotes através dos sistemas de irrigação por microaspersão, gotejamento e aspersão convencional. No âmbito econômico e social, o projeto busca condições para a eliminação da pobreza da região, dinamizando a economia com o incremento da renda regional e das receitas públicas, viabilizando-se, assim, o acesso da população e a melhoria das condições de vida da população.

Prodoeste

Em fase de implantação, o Programa de Desenvolvimento para a Região Sudoeste do Estado (Prodoeste), no município de Pium, será um divisor de águas para a região. Em 2013, o Governador Siqueira Campos assinou o contrato e ordem de serviço para o início dos trabalhos de elaboração de projetos executivos da barragem e das elevatórias no Rio Pium, que estão sendo desenvolvidas. Os projetos executivos estão previstos no contrato firmado entre Governo do Estado e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em agosto de 2012. O valor total do contrato de empréstimo foi no valor de US$ 99 milhões.

Nesta primeira etapa do projeto, estão previstas as construções de barragens nos rios Pium e Riozinho, contemplando 27 mil hectares, ampliando a capacidade produtiva da região das várzeas em duas vezes e meia. Quando finalizado, o Prodoeste irá contemplar 300 mil hectares.

Gurita

No município de Itapiratins, no Centro-Norte do Tocantins, está o Projeto Gurita, cujas obras de infraestrutura hídrica tiveram início ainda em 2004, mas só foram concluídas em 2008. Neste ano, o Governo do Estado concluiu o processo de licitação para a área, que abrange 204 hectares. A empresa vencedora, Nova União Empreendimentos, já se instalou no local e iniciou os serviços com o desmatamento, preparo de solo e a calagem, ou seja, incorporação de calcário em toda área, onde dará início a produção de uva, visando à fabricação de suco concentrado. A intenção é abastecer os mercados locais e circunvizinhos.

Formoso e Sampaio

Já na região Sul, no município de Formoso do Araguaia, está o Projeto Rio Formoso que passa por processo de revitalização. Já o Projeto Sampaio, em município de mesmo nome, no Extremo Norte do Estado, se encontra em fase de implantação. (Ascom Seagro)