Campo

Foto: Divulgação

A rentabilidade do cultivo da mandioca atraiu dezenas de produtores de Palmas para a palestra técnica sobre a raiz que foi realizada neste domingo próximo à Buritirana. Os lucros obtidos com a cultura têm atraído um número cada vez maior de agricultores para este segmento produtivo. O evento foi realizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural em parceria com a Federação das Associações e Entidades Rurais do Tocantins (Faerto).

"Esta ação faz parte de uma série de atividades que focam na capacitação dos produtores para que possam produzir mais e comercializar seus produtos em escala comercial. O objetivo é principalmente trazer qualidade de vida para o produtor e sua família e fixar o homem no campo, com renda e produção de alimentos", declarou o secretário Municipal de Desenvolvimento Rural, Roberto Sahium.

O agrônomo e secretário executivo da Seder, Roberto Campos, ministrou a palestra técnica, juntamente com os técnicos agrícolas Luiz Santana Neto e Cid Biavatti. “Escolhemos esta região para o curso por constatar na ‘Blitz Produtiva’ que esta é a vocação local. Já existem produtores que plantam mandioca, porém desejamos que eles trabalhem com mais tecnologia e maior produtividade por hectare”, frisou Campos.

Ainda de acordo com os palestrantes a facilidade de manejo da cultura, os baixos investimentos e o retorno financeiro faz com que a mandioca seja cada vez mais atraente para os pequenos produtores. “E ainda tem a vantagem que tudo na cultura é aproveitado. Ela pode ser vendida in natura, como fécula, pode ser usada como cola, suas cascas como ração, etc.” frisou Luiz Santana Neto.

Associação

O senhor José Lopes, presidente da Associação de Produtores Rurais do P. A. Sítio, falou da importância dos cursos, capacitações e atendimentos da Seder. “Sem esta ajuda o pequeno produtor não consegue progredir. A vinda da assistência técnica, do conhecimento e da tecnologia é que nos ajudam a prosperar e aumenta a nossa qualidade de vida”, explica o produtor rural.

O senhor Celso Batista, morador do assentamento, disse que após a palestra já está pensando em aumentar a área de plantio de mandioca no seu lote. “A gente planta de tudo, cria galinha, mas eu vejo que trabalhar com mandioca é uma boa opção e, por isso, vou aumentar a minha plantação”, afirmou animado.

Lucratividade

Durante a palestra os produtores puderam acompanhar a apresentação de planilhas de custos para o plantio de um hectare de mandioca variedade de mesa. Na simulação em um plantio com alta tecnologia são obtidas 18 ton/ha a um custo de R$ 6.056,00 com insumos/serviços e venda a R$ 1,50 o quilo, totalizando R$ 27 mil. Com receita líquida para o produtor de R$ 20.944,00.

Os técnicos apresentaram também algumas variedades que ao longo dos anos demonstraram melhor se adequar ao clima e solo palmenses. Elas estão divididas em mandioca de mesa e industrial, sendo:Variedade de Mesa – Argentina (Rosinha), Cacau Palmas e Cacau Pioneira; Variedade Industrial (boas para produção de farinha e fécula, e mais resistentes à bacteriose) – Mameluca, IAC 12, IAC 13 e Mucuruna .

As principais pragas que atacam o mandiocal são o cupim e a lagarta Mandarová.  Entre as doenças as mais comuns são a podridão da raiz e a bacteriose. Todos os produtores que participaram da Palestra receberam uma cartilha desenvolvida pelos técnicos da Seder com informações e dicas sobre o cultivo da mandioca.

Também participaram da reunião representantes do Ruraltins, Secretaria Municipal de Governo e Relações Institucionais, Fundesportes e presidentes de associações rurais de Palmas. (Secom Palmas)