Saúde

Foto: Divulgação

 O Sindicato dos Médicos no Estado do Tocantins (Simed-TO) e o Conselho Regional de Medicina (CRM-TO) vistoriaram nesta sexta-feira, 28, setores do Hospital Geral de Palmas (HGP) e constataram diversos problemas que comprometem a qualidade do atendimento ao paciente.

 A visita constatou a falta de medicamentos e material de trabalho em quase todos os setores de atendimento do hospital. Problemas que resultaram no cancelamento de 16 cirurgias eletivas somente na quinta-feira, 27 de março, segundo relataram médicos à presidente do Simed-TO, Janice Painkow.

“Não podemos admitir a falta de medicamento, a falta de exames laboratoriais básicos, como por exemplo, o caso de um paciente com hemorragia digestiva no qual o controle é feito olhando a cor do paciente”, completa, ao citar também a falta de sonda endotraqueal entre outros materiais básicos.

O presidente do CRM-TO, Tomé de César Rabelo, criticou a compra sazonal de medicamento. “No HGP o consumo de medicamento é muito grande, é preciso uma política de manutenção dos estoques que não deixe faltar nada”.

Também foram detectadas más condições de trabalho expondo profissionais da saúde à insalubridade e mesmo a eventuais agressões por falta de condições de atendimento. Os dados coletados na vistoria serão consolidados em relatório a ser encaminhado aos órgãos como Ministério Público e Tribunais de Conta. (Simed-TO)